Documentário narra como criança judia foi salva do Holocausto por falar ladino

O documentário "Salvo pela Língua," que narra como uma criança judia bósnia se salvou do Holocausto por falar ladino, será apresentado à comunidade judaica portuguesa na quinta-feira, em Lisboa, disse hoje um dos produtores do filme.

"Eu morei em Sarajevo, na Bósnia, entre 2000 e 2001, e foi lá que conheci o senhor Moris Albahari, que me contou como utilizou o ladino para salvar a sua vida durante a II Guerra Mundial", declarou à Lusa Susanna Zaraysky, uma das produtoras e realizadoras do documentário.

A produtora afirmou que Moris Albahari lhe contou que tinha apenas 11 anos e estava com a sua família e outros judeus jugoslavos num comboio com destino aos campos de extermínio nazis, quando escapou com a ajuda de um coronel italiano, com quem se comunicou em ladino.

O ladino é uma língua falada pelos judeus sefarditas, originários da Península Ibérica, que foram expulsos da região por portugueses e espanhóis no século XV e XVI.

"O filme é um documentário de 53 minutos, falado em inglês e ladino com legendas em português. O protagonista do filme é o Moris Albahari", sublinhou a realizadora.

"Também há outros três falantes do ladino no filme (David Kamhi, Erna Debevec Kaveson e Jakob Finci), que abordam a influência da língua nas suas vidas e a nostalgia que têm pela língua, pelas músicas e a cultura sefardita", acrescentou.

O documentário foi filmado em Sarajevo, entre 2012 e 2014, e lançado em janeiro de 2015, tendo sido já exibido em vários países, como Bósnia, Estados Unidos, Brasil, Bulgária, Cuba, entre outros.

"Agora, no mundo, perdemos uma língua praticamente a cada duas semanas. Quando perdemos uma língua, perdemos a história, a cultura, o conhecimento de medicina, as ervas, a cozinha", disse Susanna Zaraysky, que é professora de línguas e fala oito idiomas, inclusivamente português e espanhol.

Para a produtora, "no caso do ladino, é mais fácil salvar a língua porque é muito parecida ao espanhol moderno".

"Não é importante salvar o ladino só pelos judeus, mas também pelos espanhóis (e portugueses) porque o ladino, sem as palavras novas do hebreu, turco, grego, sérvio e de outras línguas que foram adicionadas quando os judeus foram expulsos da Península Ibérica, é o espanhol falado na Espanha do século XV", declarou.

"Ao nível linguístico e histórico, é importante salvar a língua para saber como se falava em Espanha (na Península Ibérica) e que, por exemplo, sons como o "v" existiam e já não aparecem no espanhol de hoje", argumentou, sublinhado que a língua faz parte da identidade de um povo.

Susanna Zaraysky disse que é importante notar que, no documentário, Moris Albahari abordou como Sarajevo é uma "pequena Jerusalém", com várias religiões a viver juntas (católicos, cristãos ortodoxos, muçulmanos e judeus).

"As orações cristãs, muçulmanas e judaicas são iguais e nós somos todos irmãos. Na época dos mouros (entre os séculos IX e XV), havia uma boa coexistência na Península Ibérica entre as três religiões", disse a realizadora.

O filme "Salvo pela Língua" será apresentado na quinta-feira, na biblioteca Doutor Elias Baruel na sinagoga, em Lisboa, para a comunidade judaica e Susanna Zaraysky estará presente no evento.

De acordo com a realizadora, que dirigiu e produziu o filme com Bryan Kirschen, a partir de 27 de janeiro o documentário poderá ser visto pelos interessados no tema na rede social Youtube.

Susanna Zaraysky nasceu na antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) e mora atualmente nos Estados Unidos. Já viajou por mais de 50 países e ensina línguas através da música, tendo escrito sobre o tema o livro "Língua é Música (Language is Music)", entre outras obras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.