Documentário narra como criança judia foi salva do Holocausto por falar ladino

O documentário "Salvo pela Língua," que narra como uma criança judia bósnia se salvou do Holocausto por falar ladino, será apresentado à comunidade judaica portuguesa na quinta-feira, em Lisboa, disse hoje um dos produtores do filme.

"Eu morei em Sarajevo, na Bósnia, entre 2000 e 2001, e foi lá que conheci o senhor Moris Albahari, que me contou como utilizou o ladino para salvar a sua vida durante a II Guerra Mundial", declarou à Lusa Susanna Zaraysky, uma das produtoras e realizadoras do documentário.

A produtora afirmou que Moris Albahari lhe contou que tinha apenas 11 anos e estava com a sua família e outros judeus jugoslavos num comboio com destino aos campos de extermínio nazis, quando escapou com a ajuda de um coronel italiano, com quem se comunicou em ladino.

O ladino é uma língua falada pelos judeus sefarditas, originários da Península Ibérica, que foram expulsos da região por portugueses e espanhóis no século XV e XVI.

"O filme é um documentário de 53 minutos, falado em inglês e ladino com legendas em português. O protagonista do filme é o Moris Albahari", sublinhou a realizadora.

"Também há outros três falantes do ladino no filme (David Kamhi, Erna Debevec Kaveson e Jakob Finci), que abordam a influência da língua nas suas vidas e a nostalgia que têm pela língua, pelas músicas e a cultura sefardita", acrescentou.

O documentário foi filmado em Sarajevo, entre 2012 e 2014, e lançado em janeiro de 2015, tendo sido já exibido em vários países, como Bósnia, Estados Unidos, Brasil, Bulgária, Cuba, entre outros.

"Agora, no mundo, perdemos uma língua praticamente a cada duas semanas. Quando perdemos uma língua, perdemos a história, a cultura, o conhecimento de medicina, as ervas, a cozinha", disse Susanna Zaraysky, que é professora de línguas e fala oito idiomas, inclusivamente português e espanhol.

Para a produtora, "no caso do ladino, é mais fácil salvar a língua porque é muito parecida ao espanhol moderno".

"Não é importante salvar o ladino só pelos judeus, mas também pelos espanhóis (e portugueses) porque o ladino, sem as palavras novas do hebreu, turco, grego, sérvio e de outras línguas que foram adicionadas quando os judeus foram expulsos da Península Ibérica, é o espanhol falado na Espanha do século XV", declarou.

"Ao nível linguístico e histórico, é importante salvar a língua para saber como se falava em Espanha (na Península Ibérica) e que, por exemplo, sons como o "v" existiam e já não aparecem no espanhol de hoje", argumentou, sublinhado que a língua faz parte da identidade de um povo.

Susanna Zaraysky disse que é importante notar que, no documentário, Moris Albahari abordou como Sarajevo é uma "pequena Jerusalém", com várias religiões a viver juntas (católicos, cristãos ortodoxos, muçulmanos e judeus).

"As orações cristãs, muçulmanas e judaicas são iguais e nós somos todos irmãos. Na época dos mouros (entre os séculos IX e XV), havia uma boa coexistência na Península Ibérica entre as três religiões", disse a realizadora.

O filme "Salvo pela Língua" será apresentado na quinta-feira, na biblioteca Doutor Elias Baruel na sinagoga, em Lisboa, para a comunidade judaica e Susanna Zaraysky estará presente no evento.

De acordo com a realizadora, que dirigiu e produziu o filme com Bryan Kirschen, a partir de 27 de janeiro o documentário poderá ser visto pelos interessados no tema na rede social Youtube.

Susanna Zaraysky nasceu na antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) e mora atualmente nos Estados Unidos. Já viajou por mais de 50 países e ensina línguas através da música, tendo escrito sobre o tema o livro "Língua é Música (Language is Music)", entre outras obras.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.