Rui Rio diz que demissão de Robles foi atitude "correta e sensata"

O presidente do PSD aplaudiu hoje a demissão do vereador do Bloco de Esquerda (BE) na autarquia de Lisboa, Ricardo Robles, argumentando que foi uma atitude correta e sensata.

Rui Rio, presidente do PSD, aplaudiu esta segunda-feira a demissão do vereador do Bloco de Esquerda (BE) na autarquia de Lisboa, Ricardo Robles, argumentando que foi uma atitude correta e sensata.

"Tive oportunidade de ler a argumentação dele, acho que ele esteve bem, teve uma atitude correta, sensata, uma boa argumentação", disse Rui Rio aos jornalistas, em Cantanhede, à margem de uma visita à feira Expofacic.

"Uma atitude tanto mais difícil de tomar quanto é contra aquilo que era a vontade da própria direção do seu partido, que achava que não havia aqui nada de grave e que ele devia continuar", argumentou ainda o líder do PSD.

Na sequência das notícias sobre o apartamento adquirido e colocado à venda por Robles, a concelhia de Lisboa do PSD tinha pedido a demissão do vereador bloquista, acusando-o de "falta de ética, seriedade e credibilidade política".

Ricardo Robles renunciou esta segunda-feira ao cargo de vereador da Câmara de Lisboa, justificando tratar-se de "uma decisão pessoa" tomada com "o objetivo de criar as melhores condições para o prosseguimento da luta do Bloco pelo direito à cidade."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.