Convento em Avis acolhe "Officina Mundi" para promover e valorizar arte contemporânea

O Convento de São Bento, em Avis, no Alto Alentejo, datado do século XIII, vai acolher um estúdio e uma galeria de arte contemporânea, incluindo um atelier da artista Joana Villaverde, foi hoje divulgado.

Intitulado "Officina Mundi", o projeto, que é inaugurado no sábado com a presença do secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, surge numa das frações do histórico Convento de São Bento, situado em pleno centro histórico de Avis, no distrito de Portalegre, após obras de reabilitação que custaram cerca de 100 mil euros.

"É um local onde vai estar presente a arte contemporânea e está enquadrado na estratégia municipal de valorização do património histórico e cultural", explicou hoje à agência Lusa o presidente da Câmara de Avis, Nuno Silva.

Destacando a "importância" de aproximar o público das artes visuais, no sentido de "desmistificar" a suposta "complexidade" da arte contemporânea, o autarca adiantou que as atividades previstas incluem exposições, acolhimento de artistas nacionais e estrangeiros, residências de curta duração que poderão resultar num projeto expositivo ou conversas com o público.

"Queremos que seja também um espaço de encontros com os agentes culturais, colecionadores ou filósofos e vamos ter, ainda, sessões de documentários e de ficção, numa programação que vai ser feita anualmente", acrescentou.

A "Officina Mundi", um projeto de promoção e de valorização da arte contemporânea que conta com o apoio da Direção Regional de Cultura do Alentejo, vai integrar um espaço, cedido pelo município, para que artista Joana Villaverde crie o seu próprio atelier.

"Este vai ser o local de trabalho da artista Joana Villaverde, que irá desenvolver o seu projeto em Avis", sublinhou.

O trabalho da artista vai ser desenvolvido num atelier com cerca de 200 metros quadrados, em dois andares do histórico edifício.

No primeiro andar, o equipamento conta com duas salas e espaço de acolhimento para convidados, ao passo que o andar térreo será utilizado para exposições, conversas e outras iniciativas culturais.

Segundo Nuno Silva, as obras no Convento de São Bento tiveram início há cerca de um ano e contaram com um investimento de 100 mil euros, comparticipados em 85% por fundos comunitários.

Mostrando-se "muito entusiasmado" com o desenvolvimento do projeto, o autarca de Avis salientou que a "Officina Mundi" constitui uma forma de "projetar e de dar a conhecer" a arte contemporânea, captando um outro tipo de visitante para a vila alentejana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.