Ciência sai à rua para celebrar a "Noite europeia dos investigadores"

A "Noite europeia dos investigadores" regressa na sexta-feira, com centenas de atividades que, de norte a sul do país, prometem celebrar a ciência e aproximar investigadores e cidadãos, naquela que é a noite científica mais longa do ano.

Divulgar o trabalho dos investigadores e desmistificar a imagem distante que o cidadão comum tem dos cientistas são alguns dos objetivos desta iniciativa anual, promovida pela Comissão Europeia no âmbito das Ações Marie Curie, que, em 2005 levou pela primeira vez a ciência às ruas europeias.

Em Portugal, a produção científica celebra-se este ano em mais de uma dezena de distritos, com atividades, promovidas por várias instituições de investigação e museus, que percorrem as mais diversas áreas, desde a matemática às ciências sociais, passando também pela química ou as novas tecnologias.

"Ciência no dia-a-dia" volta a ser o tema das propostas do consórcio SCILIFE Science in Everyday Life, coordenado pelo Museu Nacional de História Natural e da Ciência que, à semelhança do ano passado, pretende mostrar ao público o quanto a ciência influencia o modo de vida das pessoas.

Num programa de seis horas, que vai desde as 18:00 às 24:00, o Museu oferece mais de uma centena de atividades, de participação gratuita, como pequenos desafios que mostram a utilidade da matemática no dia-a-dia, experimentações de cozinha molecular ou robots capazes de comunicar com abelhas e peixes.

Celma Padamo, responsável de comunicação do SCILIFE, explica que a edição deste ano tem 70 novas propostas e destaca, no programa de Lisboa, o Coding Fest, "uma plataforma da Faculdade de Ciências e Tecnologia que oferece aos participantes a oportunidade de aprender a construir pequenos programas informáticos".

No Porto, uma das novidades é a presença de alunos do ensino secundário de duas escolas, "mini-investigadores que vão partilhar os resultados do trabalho que desenvolveram ao longo do ano letivo", disse à Lusa Maria João Fonseca, diretora de comunicação e administração do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto.

O programa, para toda a família, inclui também a preparação de insetos para coleção científica e exposição, a demonstração de narizes eletrónicos que conseguem cheirar os aromas do dia-a-dia e atividades que combinam a magia e a matemática.

Para os mais velhos, estão agendados diferentes "cafés de ciência", onde se vão discutir temas, como as desigualdades em Portugal e na Europa. José Pedro Dias, diretor do Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa, destaca ainda o debate sobre ética, cidadania e economia, moderado por Alexandre Quintanilha.

O Pavilhão do Conhecimento junta-se às celebrações e vai reunir também cientistas e cidadãos, pelo quinto ano consecutivo, numa iniciativa que se prolonga até às 02:00 e que tem o futuro como cenário, convidando a descobrir de que forma a ciência poderá influenciar a vida das pessoas nas próximas décadas.

Algumas das atividades programadas incluem a participação em exercícios de preparação para missões espaciais, a criação de uma cidade sustentável, a apresentação do primeiro modelo de corações fabricados à medida, a exploração dos planetas através de dispositivos de realidade virtual, e até demonstrações de culinária.

Além do Pavilhão do Conhecimento, a Agência Ciência Viva preparou atividades para outros 23 pontos do país, no mesmo dia e à mesma hora.

Lisboa, Porto, Santarém, Setúbal, Coimbra, Aveiro, Bragança, Évora, Braga, Faro, Castelo Branco e Açores são alguns dos distritos e regiões que aderiram à "Noite europeia dos investigadores", uma iniciativa celebrada à escala europeia em mais de 300 cidades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.