Astérix tem nova edição mirandesa com o título "Asterix an Eitália"

As aventuras de Astérix e Obélix vão ter uma nova edição em língua mirandesa, com "Asterix an Eitália", a tradução de "Astérix e a Transitálica", que será apresentada na terça-feira, disse hoje à Lusa fonte da editora Asa.

Este é o quarto título das aventuras de Astérix, em mirandês, depois de "Asterix, l Goulés", "L Galaton" e de "L Papiro de César".

"As aventuras de Astérix têm um espírito muito próprio, que importa tentar manter na tradução. Além da dificuldade em adotar ou transpor para qualquer língua referências específicas da cultura francesa, por vezes as temáticas abordadas nos álbuns são longínquas do universo mirandês", explicou à Lusa o linguista José Pedro Ferreira, um dos autores da tradução.

Para o especialista na segunda língua oficial em Portugal, é preciso ter "alguma criatividade adicional", que pode até forçar à "criação de neologismos, isto é, de palavras anteriormente inexistentes em mirandês".

"'Asterix an Eitália' é o título, em mirandês, do novo álbum das aventuras dos irredutíveis guerreiros da aldeia gaulesa, no que é já o quarto volume traduzido para lingua mirandesa. A ação desta aventura passa-se na península itálica e gira em torno de uma corrida de carros em que romanos se opõem a corredores de diferentes regiões da antiguidade, incluindo a Lusitânia", explicou.

A tradução contou com a pareceria de Carlos Ferreira, presidente da Associação de Língua e Cultura Mirandesa.

Segundos os tradutores, apesar da "dificuldade para encontrar equivalentes para todas as referências ao universo cultural francês", que neste volume incluem figuras tão díspares como Émile Zola, Alain Prost ou Hervé Vilard, o trabalho acabou por ser "gratificante".

A primeira proposta de tradução das aventuras do pequeno gaulês para mirandês data de 2001, na altura em que se assinalavam os 40 anos da publicação do herói criado por René Goscinny e Albert Uderzo.

O mirandês é falado por pouco mais de 12 mil pessoas e a sua tradição tem sido transmitida oralmente ao longo dos séculos

"Astérix e a Transitálica" é o título do 37.º álbum de banda desenhada de Astérix, o Gaulês, e é assinado pela dupla Jean-Yves Ferri e Didier Conrad, que também criou "Astérix entre os Pictos", em 2013, e "O papiro de César", em 2015.

A história passa-se no ano 50 a.C., em Itália, onde Astérix e Obélix desembarcam para uma aventura em busca da Itália Antiga.

As aventuras de "Astérix, o Gaulês" constituem o maior sucesso da edição francófona, com cerca de 370 milhões de álbuns vendidos em 100 línguas e dialetos.

Lusa/ fim

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.