Agricultura sustentável e nutritiva nas cidades explicada em estudo

Nas cidades, mesmo em espaços pequenos, podem produzir-se alimentos, cultivados através da compostagem, sem fertilizantes e muito nutritivos, defende um estudo da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) hoje divulgado.

Segundo o estudo a solução para o problema da alimentação passa por uma agricultura urbana sustentável, e também mais nutritiva se forem usadas as sementes tradicionais.

O estudo usou dois tipos de milho, um tradicional, cujos grãos podem ser usados para nova sementeira, e um híbrido, de elevada produção mas não reproduzível.

O que os investigadores da FCUL fizeram foi testar os dois tipos de milho utilizando apenas fertilizantes orgânicos obtidos através da compostagem de resíduos alimentares e resíduos verdes.

"A surpresa da investigação foi que o milho de polinização aberta (tradicional) atingiu rendimentos quase semelhantes ao do milho híbrido. E o milho tradicional era muito mais nutritivo. Essa foi a grande surpresa da investigação", disse à Lusa Florian Ulm, primeiro autor do estudo

O estudo prova, sintetizou, que se pode produzir no meio da cidade, seja em terrenos seja em varandas ou terraços, culturas agrícolas como o milho, o feijão ou a abóbora, com um nível nutricional adequado e utilizando pouco mais que desperdício alimentar.

Com base nos resultados, Florian Ulm aconselha as pessoas que vivem nas cidades, quando têm espaço, a plantar e usar variedades tradicionais, porque assim podem guardar e utilizar posteriormente as sementes, além de que o resultado final é mais positivo, com um produto mais resistente às alterações climáticas e mais nutritivo, ainda que possa ser menos rentável.

"O milho híbrido é muito utilizado por permitir uma elevada produção. No entanto os nossos resultados demonstram que podemos obter densidades de nutrientes muito mais elevadas nos grãos de milho se utilizarmos variedades de polinização aberta, como o pata-de-porco multicolorido", explica Florian Ulm num comunicado divulgado hoje pela Universidade.

Ainda segundo o documento, ao contrário da variedade comercial, os grãos de milho da variedade não comercial "exibiram uma maior concentração de micronutrientes e uma menor acumulação de metais pesados, independentemente do tipo de tratamento do solo".

Os responsáveis pelo estudo explicam no comunicado que a menor concentração de metais pesados é importante numa agricultura urbana, onde a poluição atmosférica é muito elevada.

Florian disse à Lusa que o rendimento foi o "ponto fulcral" das últimas décadas mas o estudo mostra agora que "mais rendimento não é necessariamente mais nutrientes".

Numa área pequena, asseverou, pode produzir-se comida numa quantidade razoável.

Atualmente, 55% da população mundial vive em áreas urbanas. Segundo as Nações Unidas este valor deverá aumentar para 68% até 2050.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.