Angola começou a produzir manuais em braile para o ensino especial

Angola está a produzir, pela primeira vez em 40 anos, manuais em braile para alunos com deficiência visual, para "suprir a carência interna de divisas para importação" desse material, informaram hoje as autoridades.

A informação foi avançada hoje à agência Lusa, pelo diretor-geral do Instituto Nacional para o Ensino Especial de Angola, Jorge Pedro, afirmando que técnicos angolanos produziram já 16.000 manuais que vão começar a ser utilizados no ano letivo de 2018.

"Encontramos esta estratégia interna para suprir a carência (de divisas). Pela primeira vez em Angola, em 40 anos, produzem-se livros para os cegos em Angola, por meio desta estratégia o Ministério da Educação que investiu na montagem de uma gráfica específica para começar a produção dos manuais em braile", disse.

De acordo com o responsável, em Angola existem 22 escolas do ensino especial e um total de 816 escolas do ensino geral inclusivas, contando atualmente com mais de 28.000 alunos matriculados.

A produção desses manuais, segundo Jorge Pedro, vai ainda responder as carências dos alunos com deficiência visual, que estudavam com livros sem impressão em braile.

"Uma vez que já começámos a distribuição desses manuais, no próximo ano muitos alunos com deficiência visual poderão estudar com esses manuais. Temos já produzidos 16.000 exemplares e vamos continuar com a produção de outros materiais específicos, que antes eram importados", salientou.

Numa análise ao atual quadro da educação especial em Angola, o responsável referiu que o setor "evoluiu quantitativa e qualitativamente", com um "investimento avultado" do Governo, na compra de material específico para esse ramo de formação.

"Por exemplo, para os cegos, que é a área que absorve equipamentos modernos e mais caros, podemos encontrar as máquinas braile e esse ano, devido a situação do país, não houve importação desse material, máquinas de escrever, computadores adaptados e outros meios", apontou.

Sem avançar números, o diretor-geral do Instituto Nacional para o Ensino Especial de Angola informou que em relação ao quadro docente existe foi igualmente feita uma aposta forte do Ministério da Educação na formação de novos professores.

"Hoje não distinguimos professores do ensino especial e geral, porque devido ao processo de inclusão, a formação é abrangente a todos, porque pensamos que qualquer professor deve ter competências para atender quaisquer alunos", observou.

O Instituto Nacional para o Ensino Especial de Angola é um órgão afeto ao Ministério da Educação angolano incumbido de controlar e formação de pessoas com necessidades educativas especiais.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...