Ucrânia: Mísseis russos atingem porto de Odessa. Jovem de 15 anos morreu

Um adolescente de 15 anos morreu e um outro menor ficou ferido na sequência do ataque, anunciaram autoridades municipais daquela cidade portuária.

O porto de Odessa, no mar Negro, foi esta segunda-feira alvo dos mísseis das forças invasoras russas, revelou o governador da região do sudoeste da Ucrânia, adiantando que o ataque causou um número indeterminado de mortos e feridos.

O governador da região de Odessa, Maksym Marchenko, divulgou através da rede social Telegram que outras infraestruturas foram atingidas no ataque russo.

Um adolescente de 15 anos morreu e um outro menor ficou ferido na sequência do ataque, anunciaram autoridades municipais daquela cidade portuária.

"Um ataque com mísseis danificou um prédio onde estavam cinco pessoas. Um menino de 15 anos morreu, outra criança menor foi levada para o hospital", divulgou fonte do município de Odessa, sem adiantar mais detalhes.

Pouco antes, Marchenko tinha indicado que as forças russas atacaram uma ponte estratégica no oeste do país, no rio Dniestre, única ligação ferroviária e principal ligação rodoviária para oeste de Odessa.

A ponte, no estuário do rio Dniestre, já tinha sido severamente danificada em dois ataques anteriores com mísseis russos e a sua destruição corta o acesso a carregamentos de armas e outras cargas a partir da Roménia.

Os ataques à ponte aconteceram depois de uma reivindicação por parte de um oficial superior das forças russas de que a Rússia pretende assumir o controlo de todo o sul da Ucrânia e construir um corredor terrestre para a região separatista da Transnístria, na Moldova, onde as tensões aumentaram recentemente.

A estimativa aponta para cerca de 1.500 soldados russos destacados nessa região.

Oficiais ucranianos e ocidentais manifestaram preocupação de que a Rússia pudesse usar a Transnístria para abrir uma nova frente na guerra contra a Ucrânia.

A Rússia lançou, na madrugada de 24 de fevereiro, uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da Organização das Nações Unidas, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra na Ucrânia, causada pela invasão russa do país, agravou a situação de crise energética em que a UE já se encontrava.

As tensões geopolíticas devido à guerra da Ucrânia têm afetado o mercado energético europeu, já que a UE importa 90% do gás que consome, sendo a Rússia responsável por cerca de 45% dessas importações, em níveis variáveis entre os Estados-membros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG