França testa vacinas contra gripe das aves e quer homologação pela União Europeia

Julien Denormandie, ministro da Agricultura francês, vai reunir-se com os profissionais do setor para definir onde erá iniciado o processo de testagem da vacina.

O Governo francês vai testar vacinas contra a gripe das aves, que afeta dezenas de explorações agrícolas no país e sensibilizar a União Europeia para a sua homologação como forma de travar epidemias recorrentes, foi divulgado este sábado.

De acordo com a agência EFE, o ministro da Agricultura francês convocou, para quarta-feira, uma reunião com os profissionais do setor para determinar as áreas onde será iniciado o processo de testagem da vacina e os procedimentos a adotar naquela operação.

Julien Denormandie, que na sexta-feira visitou a região de Landes, uma das mais afetadas pela gripe das aves, sublinhou que "a França é o primeiro país da Europa a iniciar a testagem da vacina".

"Depois será necessário obter a homologação a nível europeu e, para isso, terei de conseguir convencer os outros Estados membros da importância da vacinação", sublinhou Denormandie.

Para o ministro da Agricultura francês, a vacina "não tem de ser um assunto tabu", por considerar que atualmente "há soluções, a longo prazo, para impedir o aparecimento destas epidemias".

Segundo dados de sexta-feira disponíveis na página oficial do Ministério da Agricultura de França na Internet, estavam reportados 82 focos de infeção em explorações agrícolas, a maioria na região dos Pirenéus Atlânticos, Landas e Gers, junto à fronteira com Espanha.

Os primeiros casos de aves doentes em França foram detetados no final de novembro, junto à fronteira com a Bélgica.

Em dezembro, foi confirmado o primeiro foco de infeção numa exploração de patos, na região de Gers.

Desde 2015, França enfrenta a quarta vaga desta epidemia. Entre outubro de 2020 e a primavera de 2021, registaram 492 focos de infeção em explorações agrícolas.

Para travar a propagação da doença foram abatidos 3,5 milhões de aves, no sudoeste do país, sobretudo patos.

Segundo o ministro da Agricultura francês, a situação atual da epidemia é "muito grave", ainda que esteja longe do cenário que o país vivia há um ano, mas que vão ser novamente acionados apoios aos agricultores afetados.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG