EUA investigam mortes de cinco crianças ligadas a hepatite aguda

Mais de 100 casos foram reportados nos EUA e cinco crianças acabaram mesmo por morrer.

O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) está a investigar 109 casos infantis de uma forma misteriosa de hepatite, incluindo cinco mortes relatadas, informou a agência nesta sexta-feira (6).

"Investigadores aqui e em todo o mundo estão a trabalhar arduamente para determinar a causa desta doença", disse Jay Butler, vice-diretor de doenças infecciosas do CDC. Noventa por cento dos casos envolveram hospitalização, com 14 por cento a exigirem transplantes de fígado. A maioria recuperou totalmente.

O CDC emitiu um alerta de saúde na semana passada, notificando médicos e autoridades de saúde pública para ficarem atentos a casos semelhantes e começou a examinar históricos de casos que remontam a 1 de outubro de 2021.

Mais de metade dos casos reportados deram positivo ao adenovírus 41 - um vírus que normalmente está associado à gastroenterite, mas não à hepatite em crianças saudáveis.
"Por causa da ligação com o adenovírus, eu diria que ele está no topo da lista de vírus de interesse nesta doença", afirmou Butler. "Mas não sabemos se é o próprio adenovírus que está a causar os casos ou se há uma reação imune a essa estirpe específica de adenovírus".

Fatores ambientais também estão a ser examinados - como a presença de animais na casa das crianças, bem como se outras doenças, como a Covid, podem ter desempenhado um papel a espoletar estas hepatites.

Os casos de adenovírus também podem estar a ganhar força após os confinamentos anti-covid terem interrompido a propagação desses vírus nos últimos dois anos, e o adenovírus pode ter evoluído para uma estirpe nova e mais perigosa.

O CDC disse ainda que não acredita que as vacinas contra a Covid sejam uma causa desta nova doença. Nove casos no estado norte-americano do Alabama que foram investigados em profundidade correspondiam a crianças com idades médias de dois anos, muito jovens para a vacinação contra a Covid.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG