Coreia do Sul dispara tiros de aviso contra navio norte-coreano

Os tripulantes do navio apreendido disseram que cruzaram a fronteira marítima entre as duas Coreias, devido a um "erro de navegação" e pediram para "voltar".

A Coreia do Sul repatriou sete tripulantes norte-coreanos de um navio que atravessou a fronteira marítima na terça-feira, e disparou tiros de aviso contra um barco-patrulha que o perseguia, anunciaram esta quarta-feira as autoridades sul-coreanas.

Os tripulantes do navio apreendido disseram às autoridades sul-coreanas que atravessaram a Linha de Limite Norte (LLN), a fronteira marítima 'de facto' entre as duas Coreias, devido a um "erro de navegação" e pediram para regressar à Coreia do Norte, disse o Ministério da Defesa sul-coreano.

"Os nossos militares entregaram os sete tripulantes norte-coreanos e o navio ao Norte (...) por razões humanitárias e de acordo com o que é habitual", disse o ministério numa declaração, citada pela agência francesa AFP.

Um barco-patrulha norte-coreano também atravessou a linha de fronteira marítima ao largo da costa ocidental da península na terça-feira de manhã, enquanto perseguia o navio que se dirigia para a Coreia do Sul, disse um funcionário do Ministério da Defesa.

A marinha sul-coreana disparou tiros de aviso e o barco-patrulha norte-coreano voltou para Norte, disseram as autoridades.

Trata-se do primeiro incidente do género na LLN desde 2018, quando as duas Coreias assinaram um acordo para evitar confrontos acidentais e reduzir as tensões entre os dois países da Ásia Oriental, segundo a agência noticiosa sul-coreana Yonhap.

O incidente ocorreu na véspera das eleições presidenciais da Coreia do Sul e no meio de tensões acrescidas com o regime da República Popular Democrática da Coreia, que realizou um número recorde de lançamentos de mísseis desde o início do ano.

Desde o início da pandemia, a Coreia do Norte isolou-se do resto do mundo para se proteger do vírus, devido à infraestrutura sanitária deficiente do país e à não vacinação da população.

A Coreia do Sul enfrenta uma onda da variante ómicron do vírus da covid-19, com mais de 200.000 novos casos diariamente.

Mais de um milhão de pessoas que testaram positivo ao vírus estão atualmente isoladas em casa, de acordo com as autoridades de saúde.

O Mar Amarelo ao largo da península coreana tem sido palco de confrontos militares entre as duas Coreias ao longo da LLN.

Um dos incidentes mais mortíferos ocorreu em 2010, quando um navio de guerra sul-coreano foi torpedeado por um submarino norte-coreano, matando 46 marinheiros.

Pyongyang negou qualquer envolvimento no ataque.

A Coreia do Norte contesta a LLN, argumentando que foi traçada pelo comando norte-americano da força das Nações Unidas após a Guerra da Coreia (1950-1953).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG