Ataque russo a edifício residencial em Zaporijia faz pelo menos três mortos

O presidente ucraniano disse que as cidades e distritos na linha de frente estão sujeitos "ao bombardeamento russo todos os dias e noites". "É um terror deliberado", afirmou.

Pelo menos três pessoas morreram, na madrugada desta quinta-feira, num ataque russo com mísseis contra um edifício residencial na cidade de Zaporijia, no sudeste ucraniano, informaram as autoridades do país.

Os russos "destruíram quase por completo um prédio de cinco andares. As pessoas estão sob os escombros", escreveu na plataforma Telegram o secretário da Câmara Municipal de Zaporijia, Anatoly Kurtev. As informações preliminares davam contam de dois mortos.

Onze pessoas foram resgatadas e encontram-se a receber tratamento hospitalar, incluindo uma mulher grávida.

"Um míssil atingiu um prédio residencial alto. Moradores que estavam a dormir pacificamente ficaram presos sob os escombros", disse a polícia ucraniana no Facebook.

Vídeos dos serviços de emergência mostram equipas de resgate entre os escombros do prédio de cinco andares, onde mais de 10 apartamentos foram destruídos, segundo a polícia.

Um total de 90 pessoas, incluindo três psicólogos, e 24 unidades estão envolvidas nas operações de busca e salvamento, acrescentou o serviço de emergência.

Nas redes sociais, o presidente ucraniano lamentou o ataque ao edifício residencial, afirmando que estão a decorrer operações de socorro.

"O estado terrorista quer transformar cada dia do nosso povo num dia de terror. Mas o mal não reinará na nossa terra. Vamos expulsar todos os ocupantes e eles serão definitivamente responsabilizados por tudo", escreveu Volodymyr Zelensky num publicação no Facebook, onde partilhou um vídeo que mostra a destruição causada pelo ataque russo.

Já na noite de quarta-feira, no habitual discurso à população, Zelensky disse que as cidades e distritos na linha de frente estão sujeitos "ao bombardeamento russo todos os dias e noites".

"É um terror deliberado", notou o chefe de Estado ucraniano.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG