As ameaças nucleares de Putin: como chegámos até aqui

Sete meses após o início da invasão russa à Ucrânia, Putin mobiliza reservistas e ameaça com armas nucleares.

O presidente Vladimir Putin anunciou esta quarta-feira a mobilização de reservistas, sete meses após o início da invasão russa à Ucrânia, que recentemente sofreu retrocessos.

Ameaçou também recorrer a armas nucleares no conflito, uma grave escalada que Putin atribuiu às tentativas do Ocidente de "destruir" o país.


As forças russas entraram na Ucrânia em 24 de fevereiro e obtiveram ganhos desde o início. Apesar de terem sofrido perdas no campo de batalha, o Kremlin afirma que "tudo está a correr conforme planeado".

Os russos abandonaram os esforços para tomar a capital Kiev nos primeiros meses e, em vez disso, decidiram concentrar-se na região leste de Donbas.

Mas, no início deste mês, as forças da Ucrânia lançaram uma contra-ofensiva no leste e no sul, retomando várias cidades e vilas controladas pela Rússia há meses.

Agora, os aliados de Putin começam a mostrar sinais de impaciência.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, disse a Putin na semana passada que "não era hora de guerra" e o líder russo admitiu que o seu aliado "sem limites", Pequim, tinha "perguntas" e "preocupações" sobre a guerra.

Putin "recebeu um sinal de países não ocidentais para terminar (a guerra) o mais rápido possível e para parar de falar em nome do mundo não ocidental", disse o analista político Alexander Baunov.


Com a Ucrânia a retomar partes do leste, os territórios controlados pela Rússia fizeram anúncios surpresa de que realizariam referendos durante esta semana sobre a integração com a Rússia.

Os referendos - que lembram uma votação de 2014 que levou à anexação da Crimeia da Ucrânia pela Rússia - serão realizados ao longo de cinco dias a partir de sexta-feira e já foram condenados pelo Ocidente.

A anexação dos quatro territórios pela Rússia permitiria a Moscovo acusar as forças ucranianas de atacar o território russo e dar-lhe um pretexto para usar armas nucleares.

Na doutrina militar russa, as armas nucleares táticas podem ser usadas para forçar um adversário a recuar.

A diretora do grupo de media estatal russo RT Margarita Simonyan disse que um novo capítulo do conflito estava a começar e que se trata da "véspera da nossa vitória iminente ou a véspera de uma guerra nuclear".

Putin também acusou o Ocidente esta quarta-feira de "chantagem nuclear" e disse que a Rússia usará "todos os meios à nossa disposição" para proteger seu território.


O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, disse que a mobilização "parcial" convocará 300.000 reservistas, principalmente aqueles com experiência em combate.

Poucos detalhes foram divulgados além de a prioridade ser dada a homens com certas habilidades militares - mas a lista é mantida em segredo.

Estudantes e recrutas, disseram as autoridades, não serão afetados pela mobilização.

Nenhum cronograma de implantação foi anunciado, mas o decreto de mobilização entrou em vigor esta quarta-feira.

Andrei Kartapolov, chefe do comité de defesa do parlamento, disse que a maioria das reservas e suboficiais com menos de 35 anos serão convocados, bem como oficiais subalternos com menos de 45 anos.

Shoigu afirma que a mobilização é necessária para "proteger" territórios que estejam próximos ou na linha de frente de 1.000 quilómetros na Ucrânia.


Analistas dizem que a ameaça nuclear do Kremlin é um movimento para forçar a rendição da Ucrânia.

"É um ultimato absolutamente inequívoco da Rússia à Ucrânia e ao Ocidente: ou a Ucrânia recua ou há guerra nuclear", disse a analista política Tatiana Stanovaya no Telegram na terça-feira (20).

Putin insistiu que a ameaça "não era bluff".

O Reino Unido, que está entre os países que apoiam a Ucrânia a nível militar e financeiramente, disse que a convocação e a ameaça nuclear são evidências de que a "invasão" de Putin está a falhar.

Não está claro como ou se a mobilização afetará os desenvolvimentos no terreno.

O desafio de treinar, armar e enviar 300.000 homens para a linha da frente é enorme, especialmente porque a Rússia já colocou os soldados mais experientes e os melhores equipamentos no palco de operações.

Esta quarta-feira, a Rússia fez uma rara admissão de perdas militares na Ucrânia, dizendo que 5.937 dos soldados foram mortos. Acredita-se que o número seja muito maior.

"Desde o início da operação militar, quase nada saiu conforme o planeado", diz Stanovaya.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG