Rússia reitera ameaça nuclear no último dia de referendos nos territórios que quer anexar

"Vou repetir mais uma vez para os ouvidos moucos (...) a Rússia tem o direito de utilizar a arma atómica, se necessário", ameaçou Dmitri Medvedev.

DN/AFP
Vladimir Putin© (Mikhail METZEL / SPUTNIK / AFP)

A Rússia reiterou esta terça-feira a ameaça de utilizar armas nucleares, no último dia dos referendos para anexar quatro territórios sob o seu controlo, onde o voto "sim" está em clara vantagem numa consulta denunciada pelo Ocidente. Os referendos têm lugar nas regiões separatistas pró-russas de Donetsk e Lugansk (leste), bem como nas regiões de Kherson e Zaporizhzhia (sul) sob ocupação russa.

A comissão eleitoral russa disse que a votação "sim" lidera nas quatro regiões ucranianas onde se realizam - de acordo com os resultados preliminares dos centros de votação em território russo, segundo as agências noticiosas russas. A comissão disse que o "sim" obtém entre 97% e 98% dos votos após a contagem entre 20% e 27% dos votos nos centros de votação na Rússia, enquanto que a contagem começou nas regiões ucranianas sob o controlo de Moscovo, disseram as agências Ria Novosti, Tass e Interfax.

Falando aos meios de comunicação russos, o chefe da administração de ocupação de Kherson, Vladimir Saldo, já reivindicou uma vitória do "sim" nesta votação organizada desde 23 de Setembro na presença das tropas russas e apesar dos bombardeamentos.

"É evidente que a esmagadora maioria das pessoas apoiou a saída da Ucrânia e a união com a Rússia", disse Saldo, referindo-se à área sob o seu controlo.

Entretanto, o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, minimizou o valor destes referendos.

"Nada vai mudar na nossa política, na nossa diplomacia, ou nas nossas ações no campo militar", assegurou o ministro numa conferência de imprensa em Kiev, ao lado da chanceler francesa Catherine Colonna.

Os países do G7 prometeram nunca reconhecer os resultados. O governo dos Estados Unidos citou uma resposta "rápida e severa" através de sanções económicas adicionais. Enquanto a UE salientou que considera os referendos sobre a anexação "ilegais" e "ilegítimos". Também advertiu que as pessoas que colaboraram na sua organização serão alvo de sanções.

Os referendos de anexação organizados pela Rússia em quatro regiões do sul e leste da Ucrânia são uma "farsa" e uma "flagrante violação do direito internacional", disse Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO.

Stoltenberg disse no Twitter que tinha falado anteriormente com o Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky para "deixar claro que os aliados da NATO não hesitam em apoiar a soberania da Ucrânia e o seu direito à autodefesa".


Pela sua parte, o antigo Presidente russo e atual número dois do Conselho de Segurança russo, Dmitri Medvedev, disse que Moscovo defenderá os novos territórios que pretende incorporar após a votação com a utilização de "todas as armas russas, incluindo as armas estratégicas".

"Vou repetir mais uma vez para os ouvidos moucos (...) a Rússia tem o direito de utilizar a arma atómica, se necessário", ameaçou Medvedev.

As votações foram organizadas em resposta à contra-ofensiva de Kiev, que com o apoio de armas fornecidas pelas potências ocidentais recuperou milhares de quilómetros quadrados dos russos desde o início de setembro, e recorda a estratégia utilizada para a anexação da Crimeia em 2014. As cinco regiões representam pouco mais de 20% da superfície da Ucrânia.

Nesta terça-feira, o Presidente russo Vladimir Putin disse que os referendos se destinam a "salvar as populações" que vivem nestes territórios.

<br> <br> Êxodo dos russos

A China, importante aliado da Rússia, não criticou abertamente os referendos, mas apelou ao respeito pela "integridade territorial de todos os países".

Nenhuma crítica ou ameaça parece abalar Moscovo, que organizou os referendos à pressa, numa altura de vitórias militares ucranianas, com a abertura de centenas de locais de votação nos quatro territórios e na Rússia - para permitir que os deslocados pelo conflito votassem.

Oficiais pró-russos disseram que nesta terça-feira à noite ou nos próximos dias serão anunciados "resultados provisórios". Depois, o parlamento russo deverá aprovar um texto para formalizar a integração das quatro regiões.

Na fase atual do conflito, a Rússia anunciou uma mobilização de reservistas que visa recrutar 300.000 soldados, o que provocou um êxodo de russos para os países vizinhos.

Esta terça-feira, a tendência foi confirmada pela Geórgia e pelo Cazaquistão. Observam-se também deslocações para países como a Finlândia e a Mongólia.

"Não sou carne para canhão, não sou um assassino", disse Nikita, um russo de 23 anos que atravessou a fronteira para a Geórgia, à AFP.

O Ministério da Defesa russo disse que não vai pedir a extradição dos milhares de homens que fugiram para os países vizinhos para escapar ao alistamento.

<br> <br> Fugas no Nord Stream


No campo de batalha, a Ucrânia reivindicou avanços territoriais no leste e o governador de Kharkiv anunciou que as forças ucranianas reconquistaram a cidade de Kupiansk-Vuzlovyi, "um dos centros logísticos e ferroviários" da região.

A Rússia alegou ter infligido pesadas perdas ao seu adversário.

Nos últimos dias, os ataques russos com drones de fabrico iraniano aumentaram, particularmente na cidade costeira de Odessa, um importante porto do Mar Negro, onde dois dispositivos atingiram infra-estruturas militares na segunda-feira e causaram um grande incêndio, bem como a explosão de munições, de acordo com o comando militar.

Ao mesmo tempo, os dois gasodutos Nord Stream que transportam gás russo para a Europa sofreram fugas significativas, de acordo com a Suécia e a Dinamarca.

Os dois gasodutos, no Mar Báltico, estão fora de serviço, mas cheios de gás. De acordo com os sismólogos suecos, pouco antes de as fugas serem observadas, foram registadas duas explosões submarinas, provavelmente devido a "algum tipo de detonação".

A Ucrânia disse que foi provavelmente um "ataque terrorista" planeado por Moscovo contra a União Europeia.

A Rússia disse que estava "extremamente preocupada" e que não excluía "nenhuma" hipótese, incluindo sabotagem.