Internacional
20 março 2023 às 23h54

Embaixador russo na ONU diz que invasão da Ucrânia não se pode comparar com a do Iraque pelos EUA

Vasili Nebenzia realçou que os EUA "nunca pediram desculpa" nem reconheceram que as razões para declarar a guerra no Iraque eram falsas.

DN/Lusa

A invasão da Ucrânia pela Federação Russa não é comparável em absoluto com a do Iraque pelos EUA, de cujo início passam esta segunda-feira 20 anos, disse o embaixador russo na ONU, ​​​​​​​Vasili Nebenzia.

O diplomata, que realçou que os EUA "nunca pediram desculpa" nem reconheceram que as razões para declarar essa guerra eram falsas - como a alegada posse de armas de destruição massiva pelo Iraque --, destacou as diferenças que, na sua opinião, existem entre as duas invasões, porque "a sua origem foi distinta".

Como disse: "O Iraque está a milhares de quilómetros (os EUA) e não representava qualquer ameaça, como se pode ver", ao passo que a Ucrânia, um país fronteiriço com a Federação Russa, constituía "uma ameaça real à segurança nacional russa".

Nebenzia, que nunca usou a palavra 'guerra' ao falar da invasão russa da Ucrânia, empregando antes a expressão 'operação militar especial', não fechou a porta a negociações com o governo de Kiev para acabar com esta 'operação', "sempre que os ucranianos se mostrarem realistas".

Questionado o que significa "ser realista" nesta situação, definiu três condições: "desmilitarização, desnazificação e estatuto neutral da Ucrânia". Disse ainda que "quando (os ucranianos) estiverem prontos para negociar, as negociações podem começar", algo que, acrescentou, os dirigentes russos "nunca recusaram".