Agência europeia admite avaliar vacina chinesa Sinopharm

Nesta situação de avaliação preliminar encontram-se as vacinas russa Sputnik V, a da alemã CureVac e a da norte-americana Novavax.

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) disse esta terça-feira estar em discussões com o grupo farmacêutico estatal chinês Sinopharm sobre a vacina desenvolvida contra a covid-19, admitindo avaliar este fármaco para dar resposta às necessidades europeias e globais.

"Há várias vacinas produzidas por farmacêuticas chinesas e estamos em discussões com um grupo que produz uma dessas vacinas, a Sinopharm, e esperamos ficar em posição de também avaliar essa vacina", disse a diretora executiva da EMA, Emer Cooke.

Intervindo numa audição por videoconferência na comissão de Saúde Pública do Parlamento Europeu, a responsável pelo regulador europeu notou serem "necessárias todas as vacinas eficazes e seguras possíveis para não só dar resposta às necessidades da população europeia, como ao nível mundial".

Em causa está a chamada "análise contínua", um instrumento regulador que a EMA utiliza para acelerar a avaliação de um medicamento promissor durante uma emergência de saúde pública, já que, ao rever os dados em tempo real à medida que estes ficam disponíveis, pode chegar mais cedo a um parecer final sobre a autorização de comercialização, quando esta der entrada.

Nesta situação de avaliação preliminar encontram-se as vacinas russa Sputnik V, a da alemã CureVac e a da norte-americana Novavax.

Até ao momento, a EMA deu 'luz verde' a três vacinas para a covid-19: a da Pfizer/BioNTech a 21 de dezembro de 2020, a da Moderna a 06 de janeiro, da AstraZeneca a 29 de janeiro e, em meados deste mês, a vacina da Johnson & Johnson, produzida pela farmacêutica Janssen.

"Não nos podemos esquecer de que são as vacinas que nos vão ajudar a vencer esta pandemia", vincou Emer Cooke perante os eurodeputados na sessão à distância.

Numa altura em que o processo de vacinação contra a covid-19 está mais avançado em Israel e no Reino Unido do que na União Europeia, dada a incapacidade de produção, a responsável pelo regulador europeu classificou que estes são exemplos "de verdadeira informação".

"Os resultados vindos de Israel e do Reino Unido são promissores e mostram que a eficácia verificada das vacinas durante os ensaios clínicos está a ser comprovada na vida real", observou Emer Cooke.

A responsável indicou que, em ambos os casos, "o número de infeções está a baixar", tendo ficado evidente que "a propagação da doença pode ser travada quando os níveis de vacinação da população são elevados".

Sobre a situação da UE, Emer Cooke defendeu que deve "ser feito todo o possível para garantir que a capacidade de produção de vacinas é aumentada porque isso vai melhorar o processo de vacinação em toda a Europa".

"As empresas estão a trabalhar arduamente para encontrar novos locais de produção [...] e o que posso garantir é que, quando essa informação passar para o nosso lado, esses procedimentos serão aprovados numa questão de dias", adiantou a responsável pelo regulador europeu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG