O que fica do que passa

De um simples começo à marca icónica dos dias de hoje. A maravilhosa história da BIC.

Quando Marcel Bich criou a esferográfica BIC, talvez não esperasse que passado 60 anos a sua invenção atingisse o impacto global que tem nos dias de hoje. Mas ainda antes da criação da esferográfica que todos conhecemos, László Biró apresentava em 1931, o primeiro protótipo da esferográfica. Devido às convulsões da época - Segunda Guerra Mundial, e à crítica ao desempenho rudimentar da sua invenção, o jornalista e inventor húngaro acabou por vender os direitos da sua caneta ao francês Marcel Bich. E é nessa altura, que começa a maravilhosa história da esferográfica.

Marcel Bich juntamente com o seu sócio Edouard Buffard compram, em 1944, uma fábrica perto de Paris para produzirem componentes de instrumentos de escrita. Em 1950, ao adquirirem os direitos da esferográfica inventada por László Biró, rapidamente tomam a decisão de criar a sua própria esferográfica, em França, sob a marca BIC. A massificação da produção da esferográfica BIC CRISTAL fez com que pudesse ser adquirida a um preço acessível, tornando-a um sucesso crescente entre os consumidores. A ideia de simplicidade e funcionalidade de um objeto de uso universal, deu origem à revolução da esferográfica.

Esta visão pioneira obteve um êxito tão grande, que a marca não tardou em expandir-se. O primeiro passo rumo à internacionalização, foi a presença na Bélgica em 1951, em seguida alargando-se a Itália, Holanda, Áustria, Suíça e Espanha, em 1954, até chegar ao mercado norte-americano em 1958. De forma a personalizar a BIC como marca icónica, em 1961, Raymond Savignac cria o logótipo BIC BOY, um personagem com cabeça de esfera. O logótipo manteve-se inalterado até os dias de hoje, sendo o laranja a cor oficial da BIC.

Para além de revolucionar os hábitos de escrita, a BIC diversificou a sua linha de produtos quando concebeu o isqueiro de bolso de chama ajustável, um sucesso imediato devido à sua qualidade e segurança. Somando o lançamento da lâmina de barbear, em 1975, a BIC fica conhecida pela criação de objetos descartáveis de uso diário. Objetos de qualidade consistente que atingem o sucesso imediato. A intuição e tenacidade que caracteriza a BIC, fez com que ganhasse um estatuto de marca icónica. A presença na coleção permanente no Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA), em 2001, e também na coleção permanente do Museu Nacional de Arte Moderna / Centro de Criação industrial - Centre Georges Pompidou de Paris, em 2006, são exemplos da popularidade que a BIC alcançou.

A BIC desde a sua génese já vendeu mais de 100.000 milhões de esferográficas nos 5 continentes. Portanto, é com naturalidade que acredita que faz a diferença. Em 2002, a BIC assume o compromisso com o desenvolvimento sustentável, ao contribuir com a sua parte para a redução da pegada ambiental. Também com intuito de consciencializar pais e educadores sobre a importância da escrita à mão, a BIC lança na América do Norte, em 2014, a campanha "Fight for Your Write"- Lute pela sua escrita.

Sempre fiel à origem da marca, a BIC faz parte da vida diária de milhões de consumidores por todo o mundo. Produtos simples, inventivos e confiáveis para todos, é uma característica intrínseca que atravessa o tempo. A BIC escreve a tinta na sua memória.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG