Desvendar o paradoxo de Fermi

Que relação pode existir entre Donald Trump e Enrico Fermi (1901-1954) prémio Nobel da Física de 1938, e um dos maiores génios de sempre? Talvez Trump nos ajude a desvendar uma pergunta formulada por Fermi, que passou a ser designada entre os físicos como o "paradoxo de Fermi". De acordo com os relatos, em 1950, Enrico Fermi estaria num restaurante do Laboratório de Los Alamos, na fila para o almoço, numa conversa descontraída com outros cientistas célebres, entre os quais Edward Teller, tendo colocado, de modo interrogativo ("Afinal onde estão eles?"), a hipótese de não existência de vida extraterrestre suficientemente inteligente para produzir uma tecnologia capaz de conduzir à exploração do espaço exterior. Em 1950, a imprensa pululava com relatos fantasiosos de avistamentos de OVNI. Para Fermi, o paradoxo residiria no contraste entre a quase infinita probabilidade dessa existência de vida tecnologicamente exuberante, dada a imensa escala do universo, e a nulidade de provas empíricas da sua realidade. Fermi não deu grande importância a esta conversa, mas o seu impacto foi imenso. Carl Sagan e outros físicos defendiam a tese de que seria preciso refinar a procura por sinais de vida inteligente. Nesse sentido, a NASA criou o programa de pesquisa SETI, descontinuado em 1993, mas que ainda sobrevive de modo algo fragmentar e com financiamento de mecenato.

Antes de Fermi, em obras de autores como Karl Polanyi (1947) e Bertrand Russell (1949), a hipótese de uma civilização técnica, altamente complexa, poder autodestruir-se já tinha sido colocada. Mais recentemente, Michio Kaku (n. 1947) formulou a possibilidade de no próximo século a humanidade estar confrontada perante a encruzilhada entre ascender a uma civilização de tipo 1 (planetária) ou de se autoaniquilar. Kaku imagina civilizações ainda mais intensas, como as de tipo 2 (estelares) ou de tipo 3 (galácticas). Contudo, apenas encontra exemplos disso na ficção científica, em filmes como A Guerra das Estrelas ou O Império Contra-Ataca... Todavia, a civilização humana ainda é de tipo zero. Ainda estamos dominados pelos particularismos, pelos tribalismos, pelo império das paixões sombrias e fraturantes ofuscando a frágil luminosidade integradora da razão.

Trump talvez represente a trágica contradição entre o primitivismo da nossa engenharia política e a complexa desmesura da nossa tecnologia tão impactante na Terra. Para ascender à civilização planetária, a humanidade teria de ser governada de modo cosmopolita, e não de forma tribal. Perante desafios tremendamente existenciais como a destruição do ambiente e do clima, e os riscos de descontrolo da trajetória tecnológica (nuclear, inteligência artificial, nanotecnologias, etc.), os tribalistas acabarão, provavelmente, por partir a loiça, como é seu costume. O futuro da humanidade na Terra dirá se somos suficientemente inteligentes não só para produzir alta tecnologia, mas também para lhe sobrevivermos. A resposta dependerá do renascimento desse bem escasso que designamos como sabedoria política.

Professor universitário

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...