Premium Da família real ao Brexit: o novo 'annus horribilis' de Isabel II

Em 1992, os casamentos de três dos filhos da rainha desmoronaram-se em público e o Castelo de Windsor ardeu. Isabel II considerou-o um ano horrível. Como irá recordar 2019?

O discurso servia para assinalar os 40 anos de reinado, mas acabou por ficar marcado pelo balanço daquele que a própria rainha apelidou de annus horribilis. Estávamos a 24 de novembro de 1992 e para trás ficava o divórcio da filha Ana e a separação do filho André, as revelações chocantes sobre o casamento do príncipe Carlos com Diana (que se separariam oficialmente ainda nesse ano), e, apenas quatro dias antes, o incêndio do Castelo de Windsor. Agora, 17 anos depois, 2019 também se arrisca a ficar nas memórias da monarca como um ano horrível: aos problemas familiares com o envolvimento de André com o pedófilo Jeffrey Epstein, à relação fria entre os netos William e Harry e ao acidente de carro a envolver o marido junta-se o caos com o Brexit, que ameaçou pôr em causa a sua isenção face à política.

"1992 não é um ano para o qual vá olhar com prazer. Acabou por se tornar um annus horribilis", disse Isabel II no tal discurso em Guilhall, referindo-se diretamente apenas ao "trágico incêndio de Windsor". O fogo no palácio que era residência privada dos monarcas britânicos há quase mil anos causou danos no valor de 36,5 milhões de libras (42,8 milhões de euros), com as ruínas a tornarem-se um símbolo do descontrolo que se vivia na família real. No meio dos escândalos, os contribuintes rejeitaram ser eles a assumir os custos da reconstrução (pensava-se que chegariam aos 60 milhões), obrigando a rainha a começar a pagar impostos sobre os rendimentos e a abrir ao público a outra residência oficial, o Palácio de Buckingham, para ajudar a custear o restauro.

Neste ano, há vários fogos a lavrar, mas os custos de a rainha ver a família a desmoronar-se ainda estão para ser contabilizados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...