Um comissário é para ser um comissário

Uma das regras sagradas das instituições europeias é que os comissários europeus não representam os respetivos governos. Até têm de jurar isso mesmo antes de tomarem posse. A explicação para a cautela é óbvia: a tentação para que o façam é grande. A realidade é que não representam, mas quase. E ainda bem.

Se os franceses e os holandeses não tivessem feito o favor de chumbar o Tratado Constitucional da União Europeia, em 2005, uma das alterações que teriam entrado em vigor seria o fim do princípio "Um Estado membro, um comissário". Teria sido, entre outros, um dos passos mais federalizantes da União Europeia. Assim como está, a regra é que um dia há de haver menos comissários do que países, mas ninguém quer ir por aí, pelo menos agora.

Os comissários europeus não representam os seus países, e menos ainda os seus governos, mas são, no mínimo, um olhar nacional que passa por todos os temas que a Comissão tem de decidir; são o interlocutor privilegiado dos respetivos governos (mesmo quando não foram por si propostos, como testemunha o atual governo sobre o atual comissário português); e são um elemento essencial na ideia de pertença à União Europeia. No dia em que deixar de haver um comissário português, facilmente se instala a ideia de que somos governados de fora e por estrangeiros.

Nas próximas semanas saber-se-á quem é o nome indicado por Portugal (Pedro Marques e Maria Manuel Leitão Marques são os mais falados, Mário Centeno e Ana Paula Zacarias sou eu a especular). Seja qual for a escolha de António Costa, há alguns critérios importantes para avaliar o candidato e a pasta que lhe couber.

Muito mais importante do que a pasta, porém, é o respeito e a influência que o português sentado no colégio de comissários terá. Aquilo que se espera é que seja alguém com experiência executiva, faro político, compreensão das dinâmicas nacionais (a UE é uma união de Estados soberanos com governos de que podemos não gostar mas a quem não nos podemos impor para além dos tratados) e com convicção europeia. O mais importante é que seja um decisor influente, e isso só é possível, numa feira de vaidades e egos, se for capaz. Quanto à pasta, na verdade, para o país é menos importante do que parece. Carlos Moedas liderou uma pasta em que Portugal não tinha tradição e, exatamente por isso, aproximou o país de fundos que conhecia mal e usava pouco.

Entretanto, vários Estados membros começaram a indicar os seus candidatos e já se percebeu que vai haver problemas. Dificilmente haverá metade de mulheres, como Ursula von der Lynden pediu, e alguns dos nomes propostos vão ter dificuldades no Parlamento (desde logo o polaco, mas também o húngaro e o italiano, aposta-se). E o Reino Unido de Boris Johnson diz que não indica nenhum, o que levanta um problema: todos os Estados membros têm de ter um comissário. Sem comissário britânico, ou o Reino Unido já está fora, ou a Comissão não toma posse. BoJo não é parvo.

Daqui até ao fim de outubro ainda vai haver muitos sarilhos.

Consultor em assuntos europeus

Exclusivos

Premium

Betinho

"NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus há seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.