Cai na real, pá!

Um dia, tive de explicar a uma alta figura de Estado portuguesa que havia uma assimetria inescapável entre o modo como alguns portugueses olhavam o Brasil e a notória indiferença com que muitos milhões de brasileiros - cujos avós vieram de Aleppo ou da Pomerânia, e não de Freixo de Espada à Cinta ou de Almodôvar - reagiam quando o nome de Portugal vinha à conversa. Para aqueles, Portugal é frequentemente o país em que, com estranho sotaque, "também se fala português", de onde um dia chegou "seu Cabral", o país que lhes levou o ouro, trouxe os escravos e deixou os vícios, e que, depois, produziu um patusco rei "fujão" que gostava de pernas de galinha, cujo filho devasso deu no Ipiranga o grito da sua independência, antes de se recolher de vez à tal "terrinha", de onde ainda haviam de chegar carradas de "manuéis" e "joaquins", que eram em geral padeiros e tinham um jeito estranho de entender o que se lhes contava. Goste-se ou não, Portugal ainda é mais ou menos assim para muitos brasileiros.

Portugal, por seu turno, nunca se "descolonizou" totalmente do Brasil. Historicamente, olhou a grande colónia feita país como uma "jangada de pedra" a afastar-se de si, mas caiu na ilusão de pensar que por ali ficava uma espécie de "filho", levando à conta da rebeldia adolescente deste alguma lusofobia recorrente. Foi assim que, depois, se espantou com a distância sobranceira com que, muitas vezes, este resistiu ao abraço afetivo, a cordialidade seca com que ia aceitando o gongorismo retórico criado em torno de uma comunidade de língua que era portuguesa e que, por alguma razão, não era brasileira. Por muito tempo, os portugueses acharam que percebiam o Brasil, porque simplificaram que o Brasil era uma espécie de Portugal otimista e descomplexado, com vida fácil e alguma dose de loucura saudável no posto de comando. E foram olhando aquela terra do outro lado, sempre com curiosidade, às vezes com interesse, outras com preconceito.

Nestas eleições, ao que se vê por aí, os portugueses também "votam". A maioria parece que detesta Bolsonaro, pelo inegável primarismo, quase caricatural, da figura. E, dando razão à "síndrome Gorbachev" - quando o exterior gosta mais de um líder do que os nativos -, muitos conservam ainda uma imagem positiva da obra de Lula, um presidente que, além disso, deixou a ideia de ter sido simpático para Portugal, ao contrário de Dilma, vista como uma espécie de mestre-escola de esgar cínico. No Portugal que se interessa pelo Brasil - mesmo o que percebeu a tragédia da insegurança, o efeito Venezuela, o cansaço da corrupção -, muitos ainda não entendem por que razão o país se afastou afetivamente de Lula, mostrando agora vontade de se entregar nas mãos de um demagogo populista. Isso talvez aconteça porque, lá no fundo, alguns acham que o patrimonialismo é um vício endémico do sistema público brasileiro e que condenar Lula por tê-lo adubado mais não é do que um exagero com forte viés político. O Brasil que hoje existe no Brasil parece assim já muito distante do Brasil que alguns portugueses alimentaram no seu imaginário. Só que as coisas são o que são e os portugueses ouvem, cada vez mais, os seus amigos brasileiros - os que estão tristes e os que estão contentes - dizer-lhes: "Cai na real, pá!"

Francisco Seixas da Costa foi embaixador no Brasil entre 2005 e 2009

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG