Cimeira com Macron e Sánchez: Costa promete redução de custos para famílias no preço da energia

A autoestrada da eletricidade entre a Península Ibérica e o resto da Europa está agora mais perto de ser uma realidade. Portugal, Espanha e França assinaram um acordo de financiamento para uma nova ligação elétrica no golfo da Biscaia que, diz o primeiro-ministro, resultará em preços mais baixos para os consumidores.

Um mercado energético mais competitivo e uma redução de custos para as famílias, nos preços da eletricidade, e para a economia. Esta foi a promessa deixada ontem pelo primeiro-ministro português, António Costa, após a II Cimeira para as Interligações Energéticas, que decorreu em Lisboa com a presença do presidente francês, Emmanuel Macron, e do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, e da qual resultou a assinatura de um acordo de financiamento europeu de 578 milhões de euros para dar início à construção de uma nova ligação elétrica entre Espanha e França. Costa lembrou os objetivos de chegar a 10% de capacidade de interligação elétrica entre a Península Ibérica e França até 2020, e a 15% até 2030.

Quanto ao primeiro objetivo, a Comissão Europeia, pela voz de Miguel Arias Cañete, não acredita que se cumprirá, derrapando para 2025. "Ainda há muito caminho para andar e não estamos a cumprir os objetivos do Conselho Europeu", disse o comissário na conferência de imprensa final.

Portugal foi o anfitrião da cimeira e será um dos principais beneficiários desta futura autoestrada da eletricidade que se abrirá entre a Península Ibérica e o resto da Europa: poderá exportar mais renováveis, importar energia mais barata do centro europeu e assim reduzir os preços da eletricidade. Costa lembrou ainda a cooperação energética com o norte de África e a nova interligação com Marrocos, avaliada em 700 milhões de euros.

Na sua intervenção, Macron aproveitou a passagem por Lisboa para anunciar que o país encerrará todas as centrais a carvão até 2022, como parte de uma estratégia nacional ao nível da transição energética que será apresentada pelo governo de Paris neste outono. Já sobre o nuclear, reafirmou também que a França tem previsto o "encerramento efetivo" de uma central de produção de energia nuclear "durante este mandato". Mas avisou que o foco está sobretudo na redução maciça das emissões poluentes que resultam das centrais a carvão. "Não poderei fechar centrais nucleares para depois abrir novas centrais a carvão, nem aumentar a dependência em relação ao gás estrangeiro."

De manhã, o presidente francês esteve na Fundação Gulbenkian com Costa para um Encontro com os Cidadãos em que abordaram os desafios da União Europeia. As eleições europeias estão previstas para maio de 2019.

"Não poderei fechar centrais nucleares para depois abrir novas centrais a carvão, nem aumentar a dependência face ao gás estrangeiro."

Sobre o nuclear, Sánchez seguiu a deixa de Macron e sublinhou a necessidade de "garantir a segurança energética de Espanha", que passa pela aposta nas renováveis, mas também pelas centrais nucleares, como a de Almaraz, sobre a qual prometeu transmitir a Portugal toda a informação sobre o "presente e futuro" da central localizada perto da fronteira. "Os preços da eletricidade já são altos para os cidadãos e para as empresas, não podem aumentar mais", disse o primeiro-ministro espanhol, justificando a manutenção da aposta no nuclear. Tanto Macron como Sánchez sublinharam a importância de manter a estabilidade e não permitir o aumento dos preços da energia.

Da cimeira, que contou também com a presença do comissário europeu Miguel Arias Cañete e da vice-presidente do Banco Europeu de Investimento, Emma Navarro, resultou a assinatura do acordo de financiamento comunitário, no quadro do Mecanismo Interligar a Europa, no valor de 578 milhões de euros, para permitir o início da construção em 2019 de uma nova interligação elétrica (cerca de 300 quilómetros de cabos de alta tensão por via marítima) através do golfo da Biscaia. Este é o maior montante de financiamento alguma vez atribuído a um projeto de infraestruturas energéticas, sublinharam. O projeto está avaliado num total de 1900 milhões de euros e deverá ficar concluída até 2025. "Com 280 quilómetros, esta interconexão elétrica duplicará até 2025 a capacidade de troca entre França e Espanha e aproximará este país da meta de interconexão de 15% fixada pelo Conselho Europeu (em vez do nível atual de 6%), e irá integrar toda a Península Ibérica no mercado interno da eletricidade", anunciou a Comissão Europeia em comunicado.

Além dos fundos europeus, o projeto de interligação no golfo da Biscaia deverá também receber financiamento adicional do Banco Europeu de Investimento, para que possa ser concretizado. Emma Navarro confirmou ontem que já se iniciaram as conversações para chegar ao valor que o BEI contribuirá para este projeto. Na última década, o banco europeu financiou interligações nos três países no valor de 3600 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.