Tudo o que precisa de saber sobre a Lua vermelha

É hoje. Mais logo, quando forem 20.30 em Lisboa e 20.47 no Porto, olhe para o horizonte e contemple a Lua a erguer-se no céu. Verá o que é a Lua em eclipse total.

Hoje há eclipse total da Lua, e será o mais longo do século. Aqui fica um guia completo para observar o fenómeno.

Porque lhe chamam Lua vermelha?

Chamam-lhe vermelha, mas na verdade é mais ocre. O satélite da Terra, que inspirou poetas e românticos de todas as gerações, ganha este colorido avermelhado sempre que, em fase de lua cheia, atravessa a sombra projetada pela Terra, quando esta se interpõe entre ela e o Sol. É um eclipse lunar total. E é o halo da atmosfera da Terra que, ao espalhar a luz do Sol em redor, contribui para o tom vermelho que a colora.

Porquê? Porque os comprimentos de onda do laranja e do vermelho são menos dispersos do que os violetas e chegam em maior quantidade à Lua. As diferentes tonalidades observadas num eclipse lunar decorrem também da saturação da atmosfera terrestre, com poeiras provenientes, por exemplo, de atividade vulcânica recente, ou de fenómenos meteorológicos de grande dimensão. Quanto maior for a quantidade de poeiras na atmosfera mais escuros serão o eclipse e a coloração da Lua.

O que é um eclipse total da Lua?

Um eclipse total da Lua é um fenómeno astronómico que ocorre quando a Terra se encontra entre o Sol e a Lua e os três estão alinhados. A Terra projeta assim a sua sombra sobre a Lua. O fenómeno sucede quando a Lua, em fase de lua cheia, passa nos seus nodos ou na sua proximidade. São mais raros do que os eclipses do Sol. Pode haver três num ano, e pode haver anos sem nenhum.

É visível em Portugal?

Sim. Quando a Lua nascer hoje no horizonte, em Portugal - às 20.38, em Lisboa, às 20.47, no Porto, às 20.51 em Ponta Delgada e às 21.05 no Funchal - já estará em eclipse total, ou seja, estará inteiramente na sombra da Terra.

Por isso, para poder ver o fenómeno é preciso estar num local em que o horizonte esteja totalmente desimpedido, sem prédios, árvores ou qualquer outro obstáculo. A Lua estará próxima do planeta Marte, na constelação de Capricórnio.

Marte vai estar também excecionalmente brilhante, como não o víamos desde 2003, dada a sua maior proximidade da Terra, na dança de órbitas dos dois planetas. Saturno, Júpiter e Vénus poderão ser observados no céu, do lado direito.

Quanto tempo dura o fenómeno?

O eclipse tem uma duração de cerca de uma hora e 45 minutos no total, mas em Portugal será visível durante cerca de 50 minutos, pois quando a Lua nasce já está em eclipse total. O ponto máximo do eclipse, quando o Sol, a Terra e a Lua estão perfeitamente alinhados, ocorre em Portugal às 21.22. Às 22.14, a Lua começa a sair da umbra, a zona de totalidade. O fenómeno termina às 23.19.

O que tem de particular este eclipse total da Lua?

É o mais longo do século, com a duração de uma hora e 45 minutos, o que é dois minutos a mais do que todos os outros que ocorreram desde 2000, ou que vão ainda ocorrer até 2100. Os dois minutos a mais têm sobretudo que ver com questões de geometria: na sua ronda pelo céu, a Lua passa exatamente no centro da sombra da Terra.

Onde pode ser visto o eclipse em Portugal?

Onde houver um horizonte desimpedido, logo a partir do momento em que a Lua nasce. Mas, se quiser companhia, pode juntar-se ao Planetário do Porto - Centro Ciência Viva e ao Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), que organizam uma sessão de observação no Centro de Educação Ambiental da Quinta do Covelo, no Porto. A atividade começa às 22.00.

No terraço do Teatro Romano, em Lisboa, o IA promove igualmente uma sessão.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.