Premium Testaram qigong em estudantes de Gaia. E conquistaram os chineses

Jovens portugueses, ambos com a intenção de seguir o curso de Medicina, aplicaram técnica de medicina tradicional chinesa a estudantes de dois colégios em Vila Nova de Gaia. Houve uma redução de 13,7% nos níveis de ansiedade.

Como são desportistas, pensaram fazer uma investigação sobre a aplicação de plantas terapêuticas a lesões desportivas, mas foram desafiados a algo diferente: testar o qigong, técnica de medicina tradicional chinesa, na diminuição da ansiedade dos estudantes. Não faziam ideia do que se tratava, mas aceitaram o desafio. Com o projeto desenvolvido para a disciplina de Química, António José Dias e João Azevedo, alunos do 12.º ano do Colégio Cedros, em Vila Nova de Gaia, conquistaram dois prémios na Feira Internacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, que decorreu de 14 a 20 de agosto, em Chinqing, na China.

Foi a primeira vez que Portugal participou no evento. O projeto foi desenvolvido na disciplina de Química, sob orientação de Nuno Francisco, que acompanhou os alunos à China. "No colégio, temos a liberdade para fazer coisas diferentes, aplicamos uma metodologia com projeto de investigação", explica o professor, destacando que a ideia de testar o qigong partiu de Jorge Machado, professor do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.