Premium Jogadas de bastidores 

O processo de escolha da nova procuradora-geral da República é, a todos os títulos, lamentável. Para a justiça e, sobretudo, para a política. Desde logo porque, para a história, este momento ficará, simultaneamente, como uma das maiores tentativas de politização da justiça e de judicialização da política.

Mas vamos por partes: a discussão começa em janeiro com um acaso (sim, um acaso), quando a ministra da Justiça diz na TSF que o mandato da PGR é longo e único. Estava dado o tiro de partida, pensou a direita, para, à falta de melhor agenda, cavalgar um tema que, em princípio, seria incómodo para o governo de António Costa.

Ler mais

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG