Angola ajuda Moçambique: "Do avião só via água, telhados e pessoas nas árvores. Fiquei emocionada"

Foi com estas palavras que a ministra da Saúde angolana descreveu ao DN as primeiras imagens ao chegar à Beira. No avião seguia também uma equipa de cem pessoas, militares e técnicos de saúde, e toneladas de medicamentos e mantimentos. Angola responde assim ao apelo internacional do país irmão e pede a outros Estados africanos que façam o mesmo.

Sexta-feira. Dia 22. 14.10 - hora local em Moçambique. O avião com a comitiva de Angola aterrava no aeroporto da cidade mais afetada pelo ciclone Idai. Antes de aterrar, o avião sobrevoa duas vezes a região até ter ordem para descer à pista. E uma coisa "é o que se vê nos media", outra é quando "somos nós a testemunhar a realidade", admite ao DN Sílvia Lutucuta, ministra da Saúde de Angola.

Confessando: "Fiquei emocionada quando do avião só via água, telhados, campos de cultivo devastados e ainda pessoas em cima das árvores. É uma situação muito difícil, as próprias unidades sanitárias foram muito afetadas, umas estão mais destruídas do que outras, mas quase todas afetadas. É preciso que todos ajudemos."

Foi com estas palavras que a governante descreveu o cenário que observou à chegada a Moçambique, onde foi recebida pela sua homóloga, Nazira Abdula, pelo governador local e pela responsável da proteção civil da província. Sílvia Lutucuta, médica cardiologista, não negou ao DN que, apesar de ser governante, numa situação destas a vontade que se tem é deitar mãos à obra e ajudar. É a motivação natural de qualquer médico, perante "um cenário destes".

Um cenário que já se traduz em quase 450 mortos, mais de 30 óbitos em 24 horas, mais de 531 mil pessoas afetadas, não que estejam em perigo de vida, mas que ficaram sem casas, pertences e que necessitam de assistência, e mais de cem mil resgatados das águas, das árvores e de suas casas, que já estão a receber cuidados em centros de acolhimento. Destes, mais de 65 mil são pessoas vulneráveis, grávidas, idosos, crianças. Estes são os números atualizados neste domingo pelas autoridades moçambicanas, mas longe ainda de serem os reais. Especialistas e autoridades apontam para o facto de poder haver mais de mil vítimas mortais.

Mas foi este cenário dantesco, que as imagens dos media transmitiram ao mundo, que levou o presidente de Angola, João Lourenço, a responder ao apelo do país irmão. "Numa situação destas não podemos ter mãos a medir e estamos a fazer um esforço conjunto entre ministérios da Defesa e da Saúde para dar todo o apoio a Moçambique. O alerta do presidente é para apoiar, apoiar e apoiar", explicou a ministra Sílvia Lutucuta.

Um apoio que tem um "significado político, porque Moçambique é um país irmão com quem temos muito boas relações há anos, mas também social e económico. Penso que neste momento há um novo cenário no continente africano em que os países já se estão a ajudar uns aos outros. Em Moçambique vimos equipas da Etiópia e da Tanzânia, e é isto que Angola quer para África e que está a fazer, até porque tem uma posição estratégica".

Por isso, sublinha, Angola lança um apelo também a outros países africanos, "a todos os que tenham meios devem ajudar, porque o apoio necessário não é só financeiro. É preciso apoio moral e psicológico".

No avião que chegou na sexta-feira a Moçambique, seguia uma equipa com cem pessoas, militares das Forças Armadas, alguns com treino especial em resgate, médicos, enfermeiros, técnicos de emergência médica e de diagnóstico, que, à partida, ficarão por um prazo de 30 dias, mas "tudo irá depender de como o controlo da situação irá evoluir", confirmou a ministra.

Neste momento, Angola já enviou 52 toneladas de medicamentos, mantimentos e outro material gastável e ambulâncias. Na segunda-feira seguirão mais meios. O objetivo é enviar material para criar, no hospital de campanha, uma unidade de cuidados intensivos, intermédios e um bloco operatório.

De acordo com o que explicou ao DN Sílvia Lutucuta, "o nosso plano de apoio foi apresentado às autoridades moçambicanas, que o aceitaram". À chegada, a ministra da Saúde de Moçambique, Nazira Abdula, afirmou aos jornalistas que "a ajuda de Angola vem num momento oportuno, por vir acompanhada de equipas médicas, que deverão integrar as nossas, o que será fundamental para o plano de ação para a prevenção e contenção de epidemias".

O primeiro-ministro, Carlos do Rosário, que se encontrava na Beira e se encontrou com a governante angolana, reforçou o agradecimento, alertando para o facto de a situação ser catastrófica e de levar algum tempo até se conseguir reerguer o interior do país.

A ajuda internacional continua a chegar à Beira, para assim responder ao apelo do governo de Filipe Nyusi. Portugal já enviou aviões C130 com equipas de socorro integradas por militares e técnicos de saúde, medicamentos e mantimentos. Domingo seguiu mais um avião com 35 toneladas de ajuda humanitária da Cruz Vermelha Portuguesa e material para um hospital de campanha. Soube-se também que sete cidadãos portugueses afetados pelo ciclone vão regressar ao país de origem. Hoje a Estrada Nacional 6, que liga Maputo à Beira, já deve reabrir.

Mas depois do ciclone, da enxurrada de águas provocada pelo transbordo dos rios Búzi e Púnguè, com nascente no Zimbabwe, com as chuvas que estão a trazer mais mosquitos, a falta de água potável e de outros meios, a grande preocupação é controlar as possíveis epidemias de malária e cólera.

A passagem do Idai por África atingiu também o Zimbabwe e o Malawi, mas a província da moçambicana da Beira foi a mais afetada, no dia 14 de março, com ventos de 170 km/hora, que deixaram um rasto de morte, medo e sofrimento.

A ministra da Saúde de Angola lembra que "as cidades não falam, mas a Beira falou e mostrou-se desolada, consternada. A população da Beira mostrou-se triste e é preciso dar conforto a quem não faz ideia para onde pode ir amanhã".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG