Portugal perdeu quase nove mil escolas públicas desde o início do milénio
Premium

Educação

Portugal perdeu quase nove mil escolas públicas desde o início do milénio

Foram as instituições do 1.º ciclo as mais afetadas. A reorganização da rede escolar, durante o governo de José Sócrates, distanciou as aldeias dos centros urbanos e justificou o fecho de escolas. Mas foi a taxa de natalidade o que mais influenciou o cenário atual, diz a tutela.

Do ensino pré-escolar ao secundário, desde o ano 2000, desapareceram 8697 estabelecimentos de ensino público em Portugal, numa linha cronológica que não tem parado de decrescer desde então. De 14 533 passaram para 5836. Os dados são do relatório Educação em Números 2019, da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência. O Ministério da Educação justifica o cenário com as recorrentes quebras na taxa de natalidade, embora os diretores garantam que é também fruto de duas principais políticas educativas do governo de José Sócrates.

Foi entre os anos letivos de 2005-06 e 2006-07 que o número de escolas mais decresceu no país. Neste período, 1615 escolas públicas fecharam - ainda José Sócrates era primeiro-ministro e Maria de Lurdes Rodrigues ministra da Educação. A partir deste período, a quantidade de encerramentos registados nunca chegou aos milhares, embora tenha continuado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Onde pára a geração Erasmus? 

A opinião em jornais, rádios e televisões está largamente dominada por homens, brancos, nascidos algures no século passado. O mesmo se passa com jornalistas e políticos que fazem a maior parte dos comentários. Este problema está há muito identificado e têm sido feitos alguns esforços para se chegar a uma maior diversificação desta importante função dos órgãos de comunicação social. A diversidade não é receita mágica para nada, mas a verdade é que ela necessariamente enriquece o debate. Quando se discute o rendimento mínimo de inserção, por exemplo, o estatuto, a experiência, o ponto de vista importa não só dentro da dicotomia entre esquerda e direita, mas também consoante as pessoas envolvidas estejam mais ou menos directamente ligadas aos efeitos das políticas em discussão. Esta constatação é demasiadamente banal para precisar de maior reflexão. Acontece que, paradoxalmente ou não, se tem assistido a uma maior diversificação social entre a classe política activa do que propriamente entre aqueles que sobre ela opinam.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.