Ementa de Natal

Há já uns tempos que noto uma obsessão generalizada com a comida. Abrem restaurantes a toda a hora, criam-se bairros gastronómicos, organizam-se eventos internacionais para contar estrelas Michelin, os chefs são as novas vedetas nas capas das revistas. Há cursos de cozinha até para crianças, e não só proliferam programas de culinária em vários canais televisivos (todos com audiências respeitáveis) como de repente se tornou a ambição de qualquer actriz, jornalista, tia ou apresentadora publicar um livro de receitas e fazer um show cooking. Enquanto isso, os casais já pouco conversam à mesa, preocupados que estão em fotografar com o telemóvel tudo o que têm no prato para depois partilharem as imagens nas redes sociais e receberem mil deliciadas interjeições e carinhas satisfeitas. Mas já terão parado um segundo para pensar onde acaba tudo aquilo que se come?

Pronto, desculpem: em época propícia a tudo menos dietas, eu não devia ser desmancha-prazeres. É verdade que, além de pão com manteiga e batatas fritas, não ligo grande coisa à comida, até porque, consciente das minhas limitações como cozinheira, fico a olhar para o forno o tempo todo que uma carne demora a assar e, como tal, não me repugnaria trocar esse stress por um simples comprimido com as calorias necessárias. Mesmo assim, vejo que o assunto anda na boca de toda a gente com demasiada urgência, numa espécie de "agora ou nunca" inexplicável.

E daí... talvez a coisa tenha uma explicação: é que certos alimentos vão desaparecer em trinta anos, sob o risco de desaparecer o planeta em vez deles; e as alternativas que se perfilam no horizonte são tudo menos convidativas: larvas e insectos, carne criada em laboratório a partir de células de músculo de frango e uns bifes saídos de impressoras 3D, cujo design talvez possa compensar a sensaboria, mas... Abrirá, de resto, na Suécia muito em breve o Museu da Comida Nojenta, o que me parece, além de estúpido, algo profético. E, assim sendo, deixo-vos com o que poderá ser o menu de um reputado chef para o Natal de 2045: «Consomé de goma de caracol com hortelã. Caril de minhoca em casca de coco impressa. Barata crocante em seu puré. Almôndegas de carocha com quinoa. Espetada de escaravelhos em redução de frutos vermelhos.» No final, o bolo-rei até pode ter como prenda uma joaninha cristalizada, que eu cá, se ainda for viva, terei o meu comprimido calórico. Adeus, futuro.

Editora e escritora, escreve de acordo com a antiga ortografia

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.