Aconteceu em 1969 - O regresso dos "homens da Lua"

A primeira página do DN há 50 anos dava conta de alguns detalhes da primeira missão tripulada à Lua.

"Os homens da Lua vêm já a caminho da Terra", era a manchete do Diário de Notícias de dia 22 de julho de 1969, dando conta do fim da primeira permanência humana na superfície do nosso satélite.

"Armstrong e Aldrin reuniram-se ao companheiro da nave-mãe muito mais cedo do que estava previsto", noticiava-se ainda.

A missão dos astronautas Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar a superfície lunar, e Buzz Aldrin era clara - e traçada pelo presidente John F. Kennedy oito anos antes: aterrar na Lua e regressar em segurança. As atividades extraveiculares previstas incluíam a recolha de algumas rochas e a instalação de aparelhos capazes de medir tremores lunares, mas estas missões eram consideradas secundárias.

Armstrong e Aldrin realizaram tudo o que tinham previsto com menos dificuldades físicas do que se temera e a NASA até lhes permitiu uma saída suplementar de 15 minutos. Mas o desconhecimento dos efeitos no corpo humano de estar no ambiente lunar, mesmo protegidos pelos fatos espaciais, fez que os "passeios" fossem muito limitados.

Afinal, o programa Apollo previa mais de uma dezena de visitas ao satélite da Terra. Foi cancelado após apenas mais seis viagens.

Ao todo, Armstrong e Aldrin estiveram 21 horas e 36 minutos na superfície lunar.

Durante todo este tempo, Michael Collins esteve sozinho na "nave-mãe", em órbita. Ou, como o DN escreveu, com laivos literários: "Nunca, desde Adão, alguém suportou tamanha solidão."

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.