Premium Como o Facebook fez "chantagem" para não haver regulação europeia

Vários membros do grupo de alto nível que trabalharam no "código de conduta" sobre desinformação revelam-nos como as grandes plataformas apenas pretenderam "ganhar tempo" e impedir que houvesse regulação europeia sobre o negócio da publicidade online.

Monique Goyens tem 60 anos e é a diretora-geral da Organização Europeia de Consumidores (OEC), estrutura que junta 43 associações nacionais. Numa pausa para café, de uma das longas reuniões dos 39 peritos, nomeados pela Comissão Europeia, do grupo de alto nível que estudava a resposta a dar às fake news na Europa, Monique abordou o responsável do Facebook, Richard Allan.

Allan é o diretor de políticas europeias do Facebook, tendo a responsabilidade de coordenar o lóbi europeu da empresa, mas tem um longo currículo político. Foi deputado dos liberais-democratas e é, desde 2010, um par do reino na Câmara dos Lordes. Trabalha, no Facebook, com o seu companheiro de partido Nick Clegg, que é vice-presidente para os assuntos globais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?