Os industriais do otimismo


Na sua autobiografia literária, Ecce Homo (1888), Nietzsche defendeu que a verdade não dependeria tanto da questão gnosiológica da adequação entre a nossa representação e a realidade objetiva, mas antes da coragem moral para ousar suportar o seu peso tantas vezes amargo. O erro não seria, desse modo, um problema de cegueira ou falta de rigor, mas teria origem no mal moral da "cobardia" (feigheit), na recusa em olhar a verdade de frente, delineando a partir dessa contemplação todas as consequências práticas e existenciais necessárias.

Recordei-me de Nietzsche ao ler no Expresso de 12 de outubro um artigo do economista Ricardo Reis (RR), intitulado "Factos contra o populismo". O texto, isoladamente, não mereceria qualquer menção. O autor, assumido campeão do neoliberalismo como modelo económico e visão do mundo, resolveu meter-se por uma, para ele, terra incógnita, e até os disparates factuais marcaram farta presença. Apenas três exemplos: a Convenção de Viena para a proteção da camada de ozono não é de 1987 (como a peça erradamente indica), mas de 1985; o Protocolo de Toronto de 1989, a que o articulista se refere, é uma ficção saída da precipitação do autor, pois o que foi decisivo para o combate contra os CFC, substâncias químicas sintéticas que causam a depleção do ozono, foi o Protocolo de Montreal, em 1987. O que destaco neste artigo é o facto de RR habitar, desembaraçadamente, no terreno daqueles que face às duras verdades empíricas das alterações climáticas não seguem o apelo à coragem de Nietzsche, preferindo fugir para o colo de um otimismo sem qualquer suporte que não seja o recalcamento do pânico face ao futuro. Uma das maneiras de fugir, é a de passar ao ataque contra adversários imaginários. Neste caso, RR inventa a curiosa categoria de um "populismo no ambiente", que não cessaria de nos inundar com "gráficos" cheios de más notícias. A resposta de RR não consiste em disputar seriamente essa informação, mas, simplesmente, em refugiar-se nos "bons resultados do passado". E é aqui que entra a desengonçada história de sucesso da diplomacia do ozono, acima mencionada. Percebe-se que RR tenta explorar, sem base nem brilho para tal, o filão do que designo como "industriais do otimismo". Autores que, mesmo à custa de muitos atropelos à metodologia científica (como Bjorn Lomborg e o seu livro O Ambientalista Cético, de 2001), ou deixando de fora uma enorme quantidade de "factos inconvenientes" e dinâmicas objetivas negativas, acabam por exaltar numa retórica estatística a ordem neoliberal do mundo, omitindo quem vai pagar a conta (o grande especialista nesta arte da ilusão é Steven Pinker, autor de grandes êxitos literários em 2011 e 2018). Para cúmulo, RR termina com conselhos paternalistas a Greta e aos jovens ativistas pelo clima: "(...) a mudança é possível e os problemas resolvem-se", através de "pequenos passos". Infelizmente, foram décadas a marcar passo nas fantasias negligentes e hedonistas, como as que RR propala, que transformaram o futuro comum numa habitação cada vez mais precária.

Professor universitário

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.