Premium 7000 quedas em hospitais por ano. Internamento em macas agrava riscos

Caso de eventual negligência na morte de Ruben de Carvalho está sob investigação. População mais envelhecida e uma maior pressão sobre o internamento, com o recurso a macas para colocar os doentes, são fatores apontados para as cerca de sete mil quedas registadas, em média, anualmente.

As quedas nos hospitais são o principal incidente registado com doentes em ambiente hospitalar, sendo o tipo de acidente mais comum e que se mantém no topo das estatísticas nos últimos anos. Entre 2015 e 2017, foram registadas pela Direção-Geral da Saúde um total de 22 799 quedas de doentes nos hospitais sendo a principal causa de incidentes a nível de segurança interna nos hospitais.

Em 2018 e 2019, a tendência mantém-se e, além de um maior rigor na monitorização e registo destes acidentes pelos profissionais de saúde, há três razões que podem explicar a manutenção do elevado número de casos, em que o estado de saúde do doente é determinante para o acidente: a idade cada vez mais avançada dos doentes internados, a maior dependência dos doentes em termos de mobilidade e a pressão que existe sobre os internamentos hospitalares, com o número de macas nos corredores a ser também maior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.