Premium O fenómeno grego que vendia relógios na rua já desafia o rei no Jogo das Estrelas

Antetokounmpo é o conto de fadas da NBA, rendida ao filho de imigrantes nigerianos que já é um dos principais nomes da liga. Neste fim de semana, Giannis enfrenta LeBron no All Star Game.

Antetokounmpo. Aquilo que em 2013 parecia uma excentricidade impronunciável dos Milwaukee Bucks é hoje um dos nomes mais populares entre os adeptos da NBA. The Greek Freak, o fenómeno grego, já não é apenas uma combinação rara de poder atlético com um corpo de dimensões anormais; transformou-se numa espécie de super-herói com poderes sobrenaturais candidato a novo rosto da mais mediática liga de basquetebol do mundo.

O conto de fadas em que se tornou a ascensão meteórica de Giannis Antetokounmpo, desde aquele verão de 2013 - no qual, para a esmagadora maioria dos adeptos, não passava de um desconhecido filho de imigrantes nigerianos em quem os Bucks arriscavam uma escolha do draft - até ao estrelato da NBA, conhece neste fim de semana um novo e significativo capítulo, no All Star Game, que reúne os melhores jogadores da liga (madrugada de segunda-feira, 01.00, em Charlotte).

O basquetebolista grego dos Bucks tem direito a dar nome a uma das duas equipas em confronto: Team Giannis. Do outro lado, a Team LeBron, liderada por aquele que é considerado o rei da atual geração de jogadores da NBA, LeBron James. Com a mudança de King James dos Cleveland Cavaliers para a costa oeste, onde veste agora o uniforme dos LA Lakers, Antetokounmpo assumiu o estatuto deixado vago na conferência. Este e foi o mais votado entre todos os jogadores daquela metade da liga para estar presente no Jogo das Estrelas. O grego recebeu mais de 4,3 milhões de votos (4 375 747), a menos de 300 mil de distância de LeBron James (4 620 809), confirmando o crescente fenómeno de popularidade em seu redor que já o tinha feito ser escolhido, por exemplo, para rosto de capa da última versão do jogo eletrónico NBA 2k19, tornando-se o primeiro jogador internacional a consegui-lo (já tinha havido capas alternativas fora dos EUA, mas no mercado americano era até agora um exclusivo de estrelas locais).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?