Ter casa em Lisboa já é mais caro do que em Berlim

Estudo comparativo da UBS divulgou os dados sobre vencimentos, custo de vida, poder de compra e horários de trabalho em 77 cidades em todo o mundo

A cidade de Lisboa já ultrapassou Berlim no preço das casas. Para viver na capital portuguesa uma família terá de desembolsar, em média, 1059 euros por mês; já para viver na congénere alemã será necessário despender perto de 996 euros. Na lista de 77 cidades avaliadas, Lisboa encontra-se na 38.ª posição, enquanto Berlim está logo atrás, na 39.ª. Olhando aqui para o lado, Madrid aparece algumas posições acima, em 35.º lugar. Mais afastada está a cidade de Barcelona nos 30 primeiros de uma lista encabeçada por Hong Kong e Nova Iorque.

Para estimar o custo das casas, a UBS considerou o preço de três diferentes tipos de apartamentos, T2 e T3, com e sem mobília. Para a estimativa foram incluídos os gastos com água, eletricidade e gás e excluídas despesas com garagem.

Para comparar o preço de uma casa temos de olhar para o custo de vida e para os salários nas diferentes cidades analisadas. A UBS compara o poder de compra de todas as 77 cidades, através de índices salariais em que Nova Iorque assume o valor 100. Tomando ainda os exemplos anteriores, Berlim regista um valor anual líquido salarial correspondente a 91,6 pontos e Lisboa a 44,5. Ou seja, se convertêssemos estes valores em euros seria o mesmo que dizer que em Lisboa um trabalhador recebe em média o correspondente a 44,5 euros de um nova-iorquino e que um trabalhador em Berlim o correspondente a 91,6 euros. Uma diferença de 47 euros que coloca Berlim na 15.ª posição, bem afastada de Lisboa, que surge na 48.ª. A meio das duas cidades está a capital espanhola na posição 36.

Trabalhar o dobro para comprar um hambúrguer

Outra forma de avaliar o poder de compra em diferentes cidades pode ser feita através da comparação de preços ou do número de horas ou minutos necessários para comprar um bem. A UBS optou por comparar um produto alimentar que é igual em todo o mundo: o Big Mac. Para comprar este hambúrguer em Lisboa seria necessário trabalhar mais de meia hora (36,3 minutos), o dobro do tempo despendido em Berlim (18,4 minutos). Já em Madrid será necessário trabalhar cerca de 28 minutos para comprar o mesmo hambúrguer.

Os portugueses são conhecidos por gostarem de café. Talvez por isso, Lisboa seja uma das cidades com a bica mais barata. De acordo com os dados recolhidos pelo banco suíço de investimento, podemos beber um café por 65 cêntimos. É a segunda cidade, entre 77, com o preço mais baixo. Melhor só mesmo Lagos, na Nigéria, onde pode beber um café por 53 cêntimos. Do lado oposto da lista está Doha, a capital do Qatar, onde um café pode custar a pequena fortuna de €5,50, equivalente a um almoço em Portugal. Não muito longe deste valor está o preço do café em Copenhaga, na Dinamarca, que, em média, custa €5,36.

Fazer uma escapadinha em Lisboa

Apesar da explosão do turismo em Portugal, Lisboa continua a ser muito competitiva para pequenas pausas de fim de semana. De acordo com a análise da UBS, a capital portuguesa tem preços médios abaixo das congéneres europeias. Uma escapadinha pode custar pouco mais de 400 euros, mais barato do que Berlim (€527) e abaixo dos 600 euros pedidos em Madrid. A lista é encabeçada por Nova Iorque, onde uma pausa na cidade pode ultrapassar os 900 euros.

Mas se fazer uma escapadinha pode sair em conta, o mesmo não se pode dizer de comprar eletrodomésticos. De acordo com o ranking da UBS, Lisboa é a sexta cidade com os preços mais elevados. No cesto de compras, o banco de investimento colocou produtos de gama alta: uma televisão 4K de 40 polegadas, uma câmara digital, um computador pessoal, um computador portátil e um iPhone X de 64 GB desbloqueado. Tudo pelo preço de 4500 euros. Se tiver disponibilidade, o melhor é ir até Madrid, onde pode poupar quase 600 euros e aproveitar para uma escapadinha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."