Premium Homicídio no Seixal: "Sociedade só teria a ganhar com a realização de uma autópsia psicológica"

Ex-presidente do Instituto de Medicina Legal defende que este tipo de método é "relevante" em casos pontuais, como o que envolveu Pedro Henriques. Em Portugal, é raro o uso deste método que nasceu nos EUA, na década de 1970.

Aos 39 anos, Pedro Henriques matou a sogra, a filha de dois anos e meio e, depois, suicidou-se. O crime ocorreu na Amora, no Seixal, e chocou a sociedade portuguesa, no início do mês de fevereiro de 2019. Era o décimo caso de violência doméstica desde o início do ano. Psicólogos forenses e psiquiatras traçaram-lhe de imediato o perfil psicológico, tal foi o "ato grave" e "dramático" que protagonizou.

"Um homem marcado por pensamento paranoico", com uma "dor mental medonha" e "mente muito perturbada." Mas o que terá feito com que este homem mudasse o seu comportamento, já que antes se manifestava estável? Terá dado sinais de alguma patologia psiquiátrica que até então não tinha sido diagnosticada? Estaria a viver um processo de depressão profunda e ninguém se apercebeu? Tudo questões que muitos pensariam que, agora, já não teriam resposta, mas há especialistas que defendem que uma autópsia psicológica poderia ajudar a construir o puzzle da vida deste homem, que vivia "em guerra aberta" com a ex-mulher, Sandra Cabrita, na disputa pela guarda da filha, com os próprios pais, que iriam a tribunal testemunhar a favor da nora, e com ele próprio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.