Premium "O título de Aga Khan deveria ser mais próximo do que se usa para o Papa"

Para o especialista em religiões Paulo Mendes Pinto, o líder espiritual dos ismaelitas deveria ser tratado por Sua Santidade, como o chefe da Igreja Católica e o Dalai Lama. Uma entrevista com o professor da Universidade Lusófona para perceber melhor a relação dos ismaelitas com Portugal, depois da compra de mais um palácio com vista ao alargamento da sua sede mundial, em Lisboa.

O Imamat Ismaili, liderado pelo Aga Khan, comprou agora o Palacete Leitão, em Lisboa. Que relação têm os ismaelitas com Portugal?
Há uma proximidade que foi construída ainda durante a época colonial, através da Índia, mas fundamentalmente de Moçambique. Encontramos muitos ismaelitas no estado português da Índia, mas à medida que o século XX avança, e que a Índia tem a sua independência, muitas famílias ismaelitas vão para Moçambique e daí virão para Portugal, após o 25 de Abril. É esse o centro da relação contemporânea com Portugal.

Por que razão Aga Khan escolheu Portugal para implantar a sede mundial dos ismaelitas?
Presumo que por um conjunto de vários fatores. O primeiro será uma questão geopolítica, que tem muito a ver, no que se refere a plataforma giratória, com aquilo que os ismaelitas são também em termos de integração no espaço da Europa, África e Ásia e de Portugal, através da lusofonia, da sua herança, há já vários séculos funcionar também como plataforma de circulação com África, com Moçambique e com a Índia. Outro fator, cada vez mais importante, é que hoje vivemos em Portugal um clima de liberdade religiosa muito significativo que faz que Portugal seja um estímulo, querido não só pelos ismaelitas mas por muitas outras comunidades religiosas.

Ler mais

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG