Premium O que vai mudar no alojamento local

Documento final vai a votos a 18 de julho, o último dia de votações desta sessão legislativa

Acaba hoje o prazo para apresentação de propostas de alteração aos projetos que visam alterar o regime do alojamento local (AL). O PS está a fechar um conjunto de propostas a apresentar à comissão parlamentar de Ambiente, que na quinta-feira vota os vários textos, a tempo de o documento final ir a votos a 18 de julho, o último dia de votações desta sessão legislativa. Estes são os principais pontos em cima da mesa:

Mais poder às autarquias

É a medida mais consensual entre os vários partidos: PS, Bloco de Esquerda e PCP querem atribuir às autarquias o poder de definir quotas em bairros onde o alojamento local atinja números significativos. A medida - reclamada pela Câmara de Lisboa - está inscrita nos projetos do BE e do PCP, e o PS também já mostrou disponibilidade para a criação de quotas máximas de alojamento local. A intenção é que as limitações se apliquem apenas a zonas sob grande pressão turística. Em Lisboa será o caso, pelo menos, de Santa Maria Maior, onde o presidente, o socialista Miguel Coelho, tem reclamado insistentemente a imposição de um limite ao alojamento local.

Queixas podem fechar alojamento local

É uma das propostas de alteração do PS, numa versão muito mitigada do que foi a proposta inicial dos socialistas, e que causou polémica até no partido. Na versão inicial, a existência de um alojamento local num prédio estava condicionada à autorização prévia do condomínio. Uma exigência que os socialistas deixaram cair, substituindo-a pela possibilidade de as câmaras retirarem a licença de alojamento local face a queixas reiteradas dos condóminos de um prédio.

Só 30% de um prédio pode ir para alojamento local

Mas a possibilidade de os condóminos vetarem um alojamento local também deverá ir a votos, dado que consta do projeto de lei apresentado pela bancada do PCP. Os comunistas avançam também com outra medida que dá mais poder nesta matéria às autarquias: a possibilidade de as câmaras limitarem o alojamento local ao máximo de 30% de um prédio, em zonas em que haja falta de casas para arrendamento de longa duração.

Alojamento local só por 90 dias

É uma proposta do Bloco de Esquerda, que quer estabelecer uma distinção entre os pequenos e os grandes negócios de alojamento local. Se o arrendamento de curta duração se prolongar por mais de 90 dias, seja num apartamento seja numa moradia, passa a ser considerado como empreendimento turístico, com o consequente regime fiscal.

A proposta dos bloquistas defende também que a atividade de alojamento local seja obrigatoriamente "realizada no domicílio ou sede fiscal do titular da licença de exploração", o que inviabilizaria a propriedade de múltiplas casas em regime de AL. Mas nenhuma destas medidas terá o acordo do PS, que deverá votar contra ao lado do PSD e CDS.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)