Premium Lisboa e Porto de comboio vai demorar mais seis minutos

CP muda horários dos serviços Alfa Pendular e Intercidades a partir de 5 de agosto por causa das obras no norte do país

A viagem de comboio entre Lisboa e Porto vai demorar mais seis minutos a partir de 5 de agosto. Este é o impacto das obras de renovação na linha de caminho-de-ferro que estão a decorrer na Linha do Norte, no troço entre Ovar e Gaia, a cargo da Infraestruturas de Portugal (IP). A CP, ainda assim, não vai reduzir o número de viagens.

"O acréscimo do tempo de percurso de alguns comboios decorre das intervenções a realizar na infraestrutura. Por decisão da IP, são definidas limitações de velocidade à circulação dos comboios nos troços em obra", justifica fonte oficial da IP ao DN/Dinheiro Vivo.

O aumento no tempo de viagem vai sentir-se tanto no Alfa Pendular como no Intercidades: no Alfa Pendular, a viagem entre Lisboa-Santa Apolónia e Porto-Campanhã vai passar a demorar 2 horas e 50 minutos, em vez das atuais 2 horas e 44 minutos; a viagem de Intercidades passará a durar 3 horas e 16 minutos em vez das atuais 3 horas e 8 minutos, de acordo com a página oficial da CP.

O primeiro comboio da manhã vai também partir mais tarde: o primeiro comboio de Lisboa para o Porto vai passar a sair às 06h30 (em vez de ser às 06h00); a última viagem mantém o horário de saída às 21h30.

As mudanças de horário também afetam a ligação entre Braga e Lisboa, que irá demorar mais cinco minutos, se a deslocação for feita por Alfa Pendular: 3 horas e 30 minutos (em vez de 3 horas e 25 minutos). A viagem entre estas cidades deverá continuar a durar 3 horas e 56 minutos quando são utilizados os comboios Intercidades.

Nas restantes ligações de longo curso não estão previstas mudanças na duração ou número de viagens.

Obras na Beira Alta

A renovação ou construção de linhas de caminhos-de-ferro também abrange outras zonas do país. A IP vai começar as obras entre Cerdeira e Guarda, na Linha da Beira Alta, daqui a um ano, ao abrigo do programa Ferrovia 2020. Com orçamento de 11 milhões de euros, esta intervenção irá demorar dez meses e irá decorrer ao longo de 14 quilómetros, de acordo com o concurso lançado ontem, na Guarda, por Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas.

O ministro aproveitou ainda para lançar o concurso para a renovação do sistema sinalização da rede ferroviária nacional, avaliado em 63 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.