Premium Quase 40 escolas a funcionar a prazo há uma década

Há um total de 54 escolas do 1.º ciclo que já deviam estar fechadas por terem poucos alunos mas vão continuar abertas pelo menos até final do ano letivo. Trinta e oito delas estão a prazo há cerca de uma década.

"Determina-se que as escolas do 1.º ciclo do ensino básico devem funcionar com, pelo menos, 21 alunos. Esta orientação permitirá encerrar, até ao final do ano letivo de 2010-2011, aquelas escolas cuja dimensão prejudica o sucesso escolar dos seus alunos." Esta resolução do segundo governo Sócrates, que veio definir os critérios de reordenamento da rede escolar, foi publicada no início desta década, mas, nove anos depois, quase 40 das escolas que foram identificadas para fechar nessa altura ainda continuam a funcionar. Fechos que vão sendo adiados de ano para ano por falta de alternativas ou porque as câmaras municipais pressionam o governo para que se mantenham abertas.

Os números da rede pública de escolas, publicados nesta segunda-feira em Diário da República, mostram que há um total de 54 escolas do 1.º ciclo que, segundo a lei, já deviam estar fechadas mas vão continuar a funcionar pelo menos até final deste ano letivo. Ao comparar a portaria deste ano com a do ano passado é possível perceber que nos últimos meses terão sido encerradas nove das escolas que já estavam a prazo por terem menos de 21 alunos. Mas ainda assim, pelas contas feitas pelo DN tendo em conta as listas publicadas em 2010, 38 das mais de 50 que vão continuar abertas estão há cerca de uma década a trabalhar com os dias contados: já faziam parte do lote de escolas que, por determinação do último governo de José Sócrates, deviam fechar até ao final do ano letivo 2010-2011.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.