Premium Brasileiros famosos mas desconhecidos

O verdadeiro artista é aquele que cria o seu próprio universo - e não apenas o que mora nele.

Garrincha, talvez o maior jogador do futebol brasileiro depois de Pelé, não gostava de futebol. É verdade. Ninguém jamais o viu sentado num estádio, assistindo a uma partida de um clube ou da seleção brasileira. No trágico dia 16 de julho de 1950, em que o Brasil perdeu a Copa do Mundo para o Uruguai no Maracanã por 2x1, o jovem Garrincha, com 16 anos, devia ser o único brasileiro que não estava ao pé do rádio escutando o jogo. Ao contrário, passou aquela tarde à beira de um rio no meio da floresta, pescando. Ao voltar para casa, encontrou todo mundo em sua cidadezinha chorando. Ao saber que tinha sido pela derrota, comentou: "Que bobagem, chorar por causa de futebol!" Oito anos depois, em 1958, ele próprio faria o país inteiro chorar, mas de alegria - ao ser decisivo para a conquista pelo Brasil da Copa do Mundo da Suécia, a primeira de sua história.

Bem, é claro que Garrincha gostava de futebol. Mas só de jogar. E não se preocupava particularmente em vencer a partida, ganhar títulos ou mesmo receber altos prêmios ou salários. Se pudesse se divertir no relvado com seus dribles e fintas, estava ótimo. Sim, ele era assim - o profissional mais amador que já existiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.