Tratar do nosso brexit

Aconteça o que acontecer, o Reino Unido vai mesmo sair da União Europeia. E não é completamente certo que seja a bem. Para lá da conversa sobre como é que foi possível, como é horrível e um triste sinal dos tempos, convinha adotar alguma dose de realismo e tratar, finalmente, de ver quais são e como se defendem os nossos interesses no fim deste processo. É tempo de ser pragmático como os britânicos, e de pensar em nós, como eles. Em Bruxelas tem-se feito isso. Em Lisboa, também tem de se fazer.

Se houver acordo entre a União Europeia e o Reino Unido, o brexit pode ser suave, com a legislação da UE a aplicar-se na Grã-Bretanha e Irlanda do Norte por quase mais um ano, com tempo para fechar um acordo de livre-comércio (que, em todo o caso, tem de ser negociado) e com margem para garantir alguns interesses. Mas se tudo se precipitar, se a saída for sem acordo sobre o divórcio e, menos ainda, sobre a relação futura, então tudo se pode complicar. Quem presta atenção às notícias tem razões para acreditar que ambos os caminhos são, ainda, possíveis.

Durante o verão, a Comissão Europeia publicou umas notas que explicam, setor a setor, das telecomunicações à indústria, da energia à agricultura, do emprego à banca, o que é que acontece dia 30 de março, caso haja ou caso não haja acordo sobre a saída. Na próxima semana, lá para quarta-feira, vai atualizar parte desta informação. Ao lado do debate político sobre o significado e implicações profundas deste processo, existe a realidade dos empregos, das exportações, da economia, que convém acautelar.

Em Bruxelas, Jean-Claude Juncker teve a inteligência de, ao nomear Michel Barnier para liderar as negociações, fazer um cordão sanitário à volta do tema, impedir que contaminasse o dia-a-dia da Comissão Europeia e mostrar aos britânicos que eles eram tão livres e independentes na negociação da saída quanto a Europa.

No início do brexit soube-se que o Ministério dos Negócios Estrangeiros tinha criado uma equipa, liderada pelo embaixador João Valera, para reunir informação sobre quais eram os nossos interesses e como os deveríamos acautelar. A seis meses do fim, é tempo de saber a que conclusões chegou, que prioridades tem, quais são as suas linhas vermelhas e aquilo em que estamos interessados em ceder. Não será irrazoável que esta conversa não possa ser tida em público, de portas abertas. Afinal, sempre se trata de uma negociação. Mas como, apesar de ser liderada por Bruxelas, tem de ter o acordo unânime dos Estados membros, o resultado final passa por aqui.

A título de um pouco mais que curiosidade, os deputados à Assembleia da República não quererão saber como correram os trabalhos desta comissão? O que dizem as empresas e associações empresariais? Que contas estão feitas e que interesses defendemos no acordo final? Parecem minudências, quando comparadas com a discussão de grandes questões como o destino do mundo, mas convinha que nos interessássemos por elas. A vida das pessoas e das empresas está muito dependente de minudências.

Consultor em Assuntos Europeus

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.