Aplicações de meditação ajudam a evitar esgotamentos

Na conferência sobre tecnologia, inovação e sustentabilidade, que termina esta quinta-feira, também se fala em evitar esgotamentos provocados pela dificuldade em nos desligarmos do mundo. E é a própria tecnologia que apresenta as soluções: aplicações para meditar.

A Room to Breath ou, em português, sala para respirar encontra-se no espaço da Google dentro da convenção e quer ser um momento de pausa no meio das palestras e da interação entre empresários. Um grupo de oito pessoas entra, durante três minutos, senta-se em cadeirões e coloca auscultadores para ouvir os exercícios de meditação da aplicação Headspace.

"Ajuda. Ajuda um bocado", diz com voz arrastada Djamil Hommouo. O empresário belga foi uma das cerca de 500 pessoas que por ali passaram durante o dia. "Estou mais calmo, porque tenho andado muito stressado. Está a ser um dia incrível com muita coisa para ver e muito trabalho para fazer", conta. A aplicação para relaxar ajudou-o a esquecer por momentos a angústia de outra aplicação, a que está a desenvolver.

"Neste ambiente, é muito importante tirar um tempo para acalmar, porque há muita coisa a acontecer aqui", confirma também o alemão Christoph Eikneir. "É uma boa pausa".

Headspace, o "medicamento digital"

À porta da sala da gigante da internet pode ler-se a frase: "A tecnologia deve servir para melhorar a vida, não para nos distrair dela". É o propósito da aplicação testada. A Headspace reúne vários tipos de exercícios de meditação como estar em silêncio, caminhar ou correr. Está disponível para androide e para ios e tem partes gratuitas e outras pagas.

"O que a Headspace faz é exercitar a parte do cérebro que o stressa. É como trabalhar um músculo", explica o membro da empresa Dan Kessler, durante uma apresentação no stand da Google. "É um medicamento digital. Já há médicos a sugerirem o Headspace para pessoas que estão muito stressadas", acrescenta.

Mas a aplicação não se fica pela prescrição nos consultórios médicos, a sua utilização está a ser implementada em 300 empresas que abrangem 3, 2 milhões de trabalhadores de várias partes do mundo, segundo Kessler. E está ainda a ser distribuída gratuitamente pelos professores americanos "por terem uma profissão repleta de stress".

Os números apresentados pelo empresário indicam que os níveis de ansiedade começam a descer passados dez dias do início do uso da aplicação. E no final do primeiro mês, o stress é reduzido em cerca 30%.

"Nós construímos escritórios, pedimos às pessoas que trabalhem 12 horas por dia e não lhes damos recursos para tomarem conta delas. Quando querem fazer uma pausa, fumam um cigarro ou vão para o Facebook, para o Twitter ou para o Instagram (que fazem com as pessoas se sintam mal com elas próprias e com o mundo). O que queremos construir é um hábito que nos estimule. A meditação é uma das soluções", diz o porta-voz da Headspace.

Esta sugestão é partilhada por várias outras aplicações com o mesmo objetivo, uma das mais conhecidas chama-se Calm.

Atingir o limite

André Encarnação não usa a Headspace ou a Calm, mas revê-se nos objetivos traçados por estas aplicações. Tem uma empresa de engenharia informática, onde trabalham mais três pessoas, e conhece de perto os perigos de não se desligar. "No processo de criar uma empresa uma pessoa fica preocupada com tudo aquilo que tem de fazer, mas não com a sua saúde mental, com a sua estabelecidas. E ao longo do tempo isso reflete-se na saúde da própria empresa", relembra.

A sua equipa chegava a terminar o trabalho às seis da manhã e recomeçava às nove, o que fez com que adoecessem os quatro ao mesmo tempo. O alerta foi recebido e decidiram mudar a forma como trabalhavam: "neste momento o desenvolvimento é muito mais lento, mas a nossa vida está muito melhor e o próprio produto está a correr melhor", conta André Encarnação.

O empresário português já conhece a receita para evitar situações laborais de cansaço extremo, mas não deixou de prestar toda a atenção ao painel sobre esgotamento provocado pelo excesso de trabalho na era da tecnologia, que aconteceu esta quarta-feira no palco Startup University da Web Summit.

Empresários e especialistas defenderam que cada vez mais as pessoas prejudicam a sua saúde e vida por causa do trabalho, em parte por ser mais complicado desligarmo-nos num mundo que está sempre online e disponível. "Embora as pessoas trabalhem mais para serem mais produtivas, o resultado é o contrário, porque o cansaço leva à incapacidade física", afirmou Meeta Singh, a representante da organização médica Henry Ford Health System.

Parneet Pal da Wisdam Labs, empresa que se dedica ao estudo do bem-estar no trabalho, aponta a insegurança e o perfeccionismo como as principais razões para se atingir o "limite da exaustão", uma vez que estas características obrigam as pessoas a trabalharem mais. Meeta Singh acrescenta a pressão do instável mundo dos negócios: "No empreendedorismo, estamos a trabalhar em condições que nos colocam contra nós. 40% das startups fecham após um ano, 90% nos primeiros três anos, a maioria dos empreendedores não têm um bom sistema de apoio e ninguém nos explicou na escola como controlar o stress".

Para contrariar o prejuízo para a saúde aconselham períodos descanso várias vezes ao dia - meditar com uma aplicação ou conversar com os colegas sobre assuntos que não envolvam trabalho, por exemplo - seguidos de uma boa noite de sono.

"Nós estamos desconectados e as nossas caras estão sempre nos nossos telefones, nos nossos computadores. Precisamos de criar distância. Precisamos de desligar mais os aparelhos e criar espaço para estarmos com outros seres humanos e connosco", continua a empresária Aine Maria Mizzani, que aos 34 anos foi surpreendida com um cancro por o seu sistema imunitário estar fragilizado por causa de um esgotamento por excesso de trabalho.

Na altura era responsável pelas operações de uma empresa multinacional e tinha a seu cargo sete mil pessoas. A doença obrigou-a a parar e a repensar a forma como vivia. "Fez-me tirar tempo para mim, para o meu propósito na vida. Não há uma aplicação para fazer isso por nós, podem ajudar-nos, mas não o fazem por nós."

Faz questão de partilhar a lição pessoal que retirou desta experiência, não só com a plateia preenchida da Web Summit, mas principalmente com as pessoas com quem trabalha, porque acredita que enquanto líder essa é uma das suas funções.

"Como fundadores [de empresas], temos de dar o exemplo e controlar o stress", conclui Aine Maria Mizzani.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.