Premium Chefes militares querem soldado amputado nos quadros permanentes

Objetivo é salvaguardar o futuro de soldados como Aliu Camará, ferido na República Centro-Africana, evitando que sofram as dificuldades financeiras e sociais vividas até hoje por muitos deficientes da guerra colonial.

A amputação das duas pernas ao soldado comando Aliu Camará, após o recente acidente numa operação ao serviço da ONU, levou os chefes militares a equacionar soluções para a entrada dos militares contratados deficientes nos quadros permanentes.

A iniciativa, a concretizar-se, permitirá atingir dois objetivos: no curto e médio prazo, garantir a integração socioprofissional desses novos deficientes das Forças Armadas (DFA); a longo prazo, evitar que um militar contratado como Aliu Camará, de 23 anos, saia do Exército no final do contrato de seis anos e com direito a uma pensão correspondente ao posto de soldado e com base nos descontos de seis anos, admitiram fontes militares ouvidas pelo DN sob anonimato, por não estarem autorizada a falar sobre uma matéria sensível com implicações políticas e legislativas.

Ler mais