Mais emprego e mais bem pago dá bónus de 502 milhões de euros à Segurança Social

Despesa com subsídio de desemprego contraria previsões e recua 6,7% (-46 milhões de euros) neste primeiro semestre. Quebra é ainda assim inferior ao decréscimo do número de beneficiários.

O orçamento da segurança Social para 2018 foi projetado a contar com uma subida da receita por via dos descontos dos trabalhadores e empregadores, mas os valores arrecadados entre janeiro e junho indicam que a subida está a ser mais favorável do que o esperado. Neste período a receita aumentou 6,8% em termos homólogos. Traduzido em euros, são mais 502 milhões do que no mesmo semestre de 2017.

Numa análise à execução orçamental da Segurança Social, ontem publicada, o Conselho das Finanças Públicas (CFP) assinala que este acréscimo das contribuições e quotizações de 6,8% teve por trás um aumento de número de trabalhadores a realizar descontos (efeito número), bem como um valor de remunerações mais elevado (efeito preço)

Do lado da despesa, sobressaem os gastos com as prestações de apoio ao desemprego. Também aqui, a previsão para o conjunto do ano estima uma subida de 40 milhões de euros face ao valor gasto em 2017, mas este primeiro semestre de 2018 indica que a fatura com esta rubrica recuou 6,7% em termos homólogos. Foram menos 46 milhões de euros. Esta evolução, conjugada com uma quebra de 1% na despesa com pensões e uma subida de receitas impulsionada pelas contribuições dos trabalhadores e empregadores, fizeram que a Segurança Social tenha fechado o primeiro semestre com um excedente de 1765 milhões de euros.

O CFP acentua que, desde 2013, os gastos com subsídios de desemprego têm registado uma evolução favorável, mas assinala que a quebra observada neste primeiro semestre de 2018 "reflete a recuperação do mercado de trabalho", ainda que apresente "uma redução em variação inferior à verificada no número de beneficiários das prestações de desemprego". Ou seja, os 6,7% de quebra na despesa comparam com um decréscimo de 12,4% (menos 23 657) beneficiários.

Parte deste desfasamento nos ritmos de redução assenta na prestação média paga aos desempregados, que aumentou 3,8% face ao valor pago no primeiro semestre de 2017, por influência da atualização do indexante de apoios sociais e pela decisão de eliminar o corte de 10% que, entre 2012 e 2017, foi aplicado no subsídio de desemprego após os primeiros seis meses de pagamento.

Do lado das pensões, o CFP assinala uma quebra homóloga da despesa de 1%, ma sublinha que este efeito deverá desvanecer-se até ao final do ano, uma vez que resulta essencialmente do facto de em 2018 o subsídio de Natal voltar a ser pago de uma única vez no último trimestre, abandonando o regime de duodécimos observado no ano passado.

Na Caixa Geral de Aposentações, o CFP também dá nota de uma descida da despesa com pensões (neste caso de antigos funcionários públicos), mas o motivo é o mesmo: a forma de pagamento do subsídio de Natal. O abandono dos duodécimos acabou também por afetar as receitas da CGA, uma vez que o valor de remunerações sobre o qual incidiram os descontos foi menor nestes primeiros meses. Este efeito será anulado com o pagamento do 13.º mês, no final de novembro.

O CFP volta a chamar a atenção para o facto de que continuam a não ser-lhe solicitados dados detalhados sobre as pensões - nomeadamente as antecipadas -, o que o impede de fazer uma análise mais profunda da execução orçamental. Ainda assim, assinala que a despesa com pensões antecipadas por desemprego até ao pensionista atingir a idade legal da aposentação evidenciava em junho uma variação homóloga de 15,8%.

Os desempregados de longa duração podem aceder à reforma antecipada aos 57 (com penalizações mensais e o corte pelo fator de sustentabilidade) ou aos 62 anos (com corte do fator de sustentabilidade) de idade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."