Premium Deputados voltam de férias. Ferrovia, aeroportos e demografia na agenda

Na terça-feira é a audição ao presidente da CP, que promete aquecer já o debate parlamentar. Comissão Permanente será outro palco para essa discussão.

Ferrovia, aeroportos e demografia são já alguns dos aperitivos para as próximas semanas de debates parlamentares, agora que os deputados regressam ao trabalho. Na segunda-feira, o regresso faz-se ainda em contacto com o eleitorado, mas na terça-feira à tarde já há promessa de um debate aceso entre as diferentes bancadas, com a audição do presidente da CP, Carlos Gomes Nogueira.

A situação da CP tem sido uma bandeira do CDS, que durante as últimas semanas promoveu várias iniciativas sobre o estado dos serviços prestados pela empresa, mas foi o PSD que pediu a presença na Assembleia da República, já há quase dois meses, de Gomes Nogueira, para discutir "a degradação do material e do serviço prestado por aquela empresa".

Sociais-democratas e centristas querem melhor atingir o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, com esta audição ao presidente da CP na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas. Aliás, o grupo parlamentar do CDS vai insistir na reunião da Comissão Permanente, que tem lugar na quinta-feira, para que Pedro Marques seja ouvido no Parlamento, como apontou fonte parlamentar centrista.

O PSD não deixará cair nos próximos dias os temas que marcaram a atualidade neste verão, como os incêndios, a saúde e as falhas na ferrovia, confirmou ao DN fonte da direção do grupo parlamentar.

À esquerda do PS, bloquistas, comunistas e ecologistas têm criticado a falta de investimento na CP, mas também têm criticado o "cinismo" dos centristas, por BE, PCP e PEV responsabilizarem o governo anterior do PSD-CDS pelo estado em que se encontra a ferrovia.

Já o PCP vai também alargar o debate sobre transportes à situação dos aeroportos nacionais. Segundo adiantou o líder parlamentar comunista, João Oliveira, ao DN, a sua bancada vai propor um debate sobre a "solução para a grave situação nos aeroportos nacionais, com destaque para o aeroporto de Lisboa".

O BE também está preocupado com o que se passa na aviação, no campo laboral, concretizando a audição do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, também na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, por causa dos conflitos laborais na Ryanair. O requerimento bloquista, que pediu "audições com carácter de urgência", deu entrada em 2 de abril.

O CDS não se fica pelos transportes e vai recuperar um tema caro à direção de Assunção Cristas, avançando com o agendamento potestativo para dia 27 sobre demografia.

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, é a primeira governante a ser chamada ao Parlamento, depois da pausa para férias. Sem sobressaltos na agenda, a Comissão de Agricultura e Mar vai debater "a política geral do ministério e outros assuntos de atualidade".

Na quarta-feira, a reunião da conferência de líderes parlamentares vai ajudar a estabelecer também as prioridades das várias bancadas para as próximas semanas. A primeira sessão plenária só terá lugar no dia 19 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.