Premium Uma boa notícia

Já não me recordo da última vez que aqui escrevi sobre uma boa notícia. E esta é boa para os mais de 500 milhões de cidadãos da União Europeia. No dia 27 de novembro, o importante Comité do Parlamento Europeu (PE) para os Assuntos Económicos e Monetários (ECON), composto por 50 deputados (de um total de 751), rejeitou através de um empate (25:25) a proposta da Comissão Europeia (CE) para integrar o sinistro Tratado Orçamental (TO) no direito da União Europeia.

Antes de passarmos ao significado, gostaria de recordar quem votou a favor e contra a proposta da CE para transformar a austeridade em lei europeia. Favoravelmente votaram os liberais (ALDE, com 68 deputados no conjunto do PE), os democratas-cristãos (PPE, onde se sentam o CDS e o PSD, contando 217) e os conservadores reformistas (ECR, com 74). Contra a proposta votaram os socialistas (S&D, a grande mudança, pois em 2013 estiveram na linha da frente do apoio ao TO, integrando o PS este grupo que conta 189 deputados), a esquerda unida com os verdes nórdicos (GUE-NGL, aqui se sentam o PCP e o BE, contam 52), os Verdes com seus aliados (G-EFA, com 51). Votaram também duas formações da área populista (a EFDD, com 45, e a ENF, com 37).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.