Quase 12% do consumo em Portugal é feito por turistas estrangeiros

No primeiro semestre, os visitantes deixaram na economia 7,7 mil milhões de euros em gastos. Empresas e Estado beneficiam.

O consumo das famílias residentes em Portugal foi uma peça decisiva para manter a aceleração da economia portuguesa, que cresceu 2,3% em termos reais no segundo trimestre. Mas a ajuda dos estrangeiros que visitaram o país enquanto turistas foi a mais importante de que há registo nas séries estatísticas do consumo privado.

Esse contributo vindo de fora para a economia nacional é cada vez mais importante para a atividade das empresas e coleta fiscal do Estado: o consumo final realizado no território por não residentes, os tais turistas estrangeiros, ascendeu a mais de quatro mil milhões de euros no segundo trimestre (7,7 mil milhões de euros no primeiro semestre, mais 15% do que há um ano), indicam números disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Significa que 11,7% do consumo final dentro das fronteiras portuguesas na primeira metade do ano é feito por esses estrangeiros, naquela que é a maior proporção de que há registo nas séries do INE que remontam ao início de 1995. O peso do consumo feito por estrangeiros que estão de visita foi, no primeiro semestre de 2018, o dobro do que acontecia em 2010, antes de o país entrar na bancarrota e do boom do turismo, que começa justamente nessa altura, apoiado no embaratecimento e desvalorização da economia, ou seja, nos cortes salariais.

O INE reconhece que a economia como um todo está a beneficiar dessa canalização do poder de compra dos estrangeiros.

11,7% do consumo final dentro das fronteiras portuguesas na primeira metade do ano é feito por estrangeiros

Embora o consumo dos turistas não se reflita no consumo final (porque o que conta para as contas é o dos residentes nacionais e estrangeiros), ele acaba por puxar por outros agregados da economia. É o caso do valor acrescentado das empresas que faturam necessariamente mais e da receita fiscal (no alojamento, nas idas a restaurantes, nos transportes que utilizam internamente). Os turistas pagam IVA, por exemplo.

O INE observa que, "no 2.º trimestre, o consumo privado de residentes acelerou em volume, passando de um crescimento homólogo de 2,1%, no 1.º trimestre, para 2,6%". Mas acrescenta que "o consumo privado na ótica do território continuou a registar crescimentos mais intensos (3,4%) que o consumo de residentes, em resultado do comportamento das despesas efetuadas em Portugal por não residentes (turistas)".

Deflacionando os dados, isto é, analisando as evoluções reais homólogas, torna-se evidente que desde o início de 2010 que o consumo dos turistas estrangeiros cresce significativamente acima do consumo das famílias residentes, trimestre após trimestre. Entre abril e junho, os residentes consumiram mais 2,6% face a igual período do ano passado. O consumo dos visitantes estrangeiros subiu quase 11%, estando a crescer a dois dígitos desde 2016.

Residentes compram mais carros

Analisando os dados a preços correntes, percebe-se que os visitantes gastaram mais mil milhões de euros neste primeiro semestre, mas os residentes nacionais também ajudaram, com mais dois mil milhões de euros em consumo: mais 277 milhões em bens duradouros (onde estão os carros e eletrodomésticos) e mais 254 milhões em alimentação.

Mas em termos reais homólogos percebe-se que a subida mais relevante foi mesmo nos bens duradouros, cujo consumo disparou 8,8%, bem acima dos 1,1% nas compras de alimentos. "As despesas em bens duradouros aceleraram para uma variação homóloga de 8,8% (2,6% no 1.º trimestre) devido em larga medida ao aumento verificado na componente automóvel", explicou o INE.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."