Tecnologia com propósito

Web Summit 2022, com uma análise de Henrique Miranda, professor do ISEL e assessor da Presidência para a Área da Inovação.

Nas últimas décadas assistiu-se à transição para uma sociedade cada vez mais tecnológica, que impõe novos e urgentes desafios às empresas e às instituições governamentais, nomeadamente a inovação tecnológica e tudo o que se relaciona com a proteção e segurança de dados.

O tecido empresarial português é constituído maioritariamente por micro, pequenas e médias empresas (PME), que desempenham um papel fundamental na sociedade. A regulamentação nacional e europeia, cada vez mais exigente e à qual acrescem as problemáticas ambientais, económicas e sociais globais, a rápida evolução tecnológica que implica a digitalização de processos e consumidores cada vez mais atentos e igualmente tecnológicos, impõem desafios acrescidos aos atuais e futuros gestores.

Atualmente, surgem todos os dias novos softwares, novas aplicações digitais e inovações tecnológicas que visam dar resposta aos desafios do mundo, dos setores empresariais, dos gestores, dos consumidores e até do planeta, com base na recolha e tratamento de dados que geram conhecimento, o qual é imprescindível à tomada de decisões eficientes e alinhadas com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

No entanto, se por um lado o desenvolvimento e inovação tecnológica são extremamente positivos no encontro de soluções, por vezes esquecemo-nos de que têm igualmente impactos na utilização de recursos, que na grande maioria são escassos nas PME.

É, portanto, perentória a constituição de grupos de trabalho multidisciplinares e congregadores de stakeholders, para que se evolua do desenvolvimento de tecnologia para o desenvolvimento de tecnologia com Propósito. Entenda-se Propósito como: mais importante do que desenvolver muito e rápido, é desenvolver soluções que respondam aos desafios globais, através da implementação de soluções locais e sustentáveis nas suas três dimensões (ambiental, económica e social).

No caso de Portugal, as PME têm um papel fundamental no desenvolvimento da economia, sendo preponderante o fortalecimento de parcerias entre estas e as Instituições do Ensino Superior (IES).

Inúmeros são os casos de sucesso de colaboração entre entidades empresariais, industriais e académicas, com vista ao desenvolvimento tecnológico e à capacitação do tecido empresarial, devido: à complexidade dos desafios a superar; a multidisciplinaridade de conhecimentos das equipas e grau de especialização que se requer; recursos materiais necessários; logística; e investimento financeiro.

No desenvolvimento de projetos tecnológicos inovadores, em estreita colaboração com a IES, as empresas conquistam acesso a recursos que de outra forma não teriam e cujas equipas possuem know-how altamente especializado e multidisciplinar. Por seu turno, as IES têm a oportunidade de potenciar e rentabilizar duas vertentes muito importantes da sua vocação - a produção de conhecimento e a sua transferência.

A participação de IES na Web Summit permite dar a conhecer aos meios empresariais, independentemente da sua dimensão estrutural, o potencial de colaboração com as IES. Apresenta-se uma relação Win Win Win entre empresas, IES e governos locais e centrais, como forma de resposta aos desafios da Humanidade, através do desenvolvimento de Tecnologia com Propósito.

Nova rubrica
Com a Web Summit 2022, o Diário de Notícias lançou uma nova rubrica em que são abordadas algumas das tendências que marcam o encontro mundial de startups, que já decorre em Lisboa. Estarão em análise as oportunidades e os desafios dos investidores, os exemplos inspiradores e as novidades na agenda dos empreendedores nacionais e mundiais. O palco passa por aqui, com a reflexão de especialistas numa série de artigos de opinião. O artigo hoje publicado tem a assinatura de Henrique Miranda, professor do ISEL e assessor da Presidência para a Área da Inovação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG