Prémio João Vasconcelos atribuído: fundadores da Coverflex são os empreendedores do ano

A Coverflex destacou-se entre os seis finalistas e levou para casa o Prémio João Vasconcelos - Empreendedor do Ano 2022, no valor de 10 mil euros, atribuído pela Startup Lisboa. A incubadora da capital distinguiu ainda o Melhor Pitch e a Startup Mais Promissora: RealFevr e Assetfloow, foram, respetivamente, as vencedoras.

Os fundadores da Coverflex, Miguel Santo Amaro, Rui Carvalho, Tiago Fernandes, Luís Rocha e Nuno Pinto, arrecadaram o galardão de empreendedor do ano. A cerimónia de entrega do Prémio João Vasconcelos - Empreendedor do Ano 2022 aconteceu esta terça-feira, no Hub Criativo do Beato, no decorrer dos Entrepreneurship Awards, promovidos pela Startup Lisboa.

O evento, que juntou parceiros, investidores e mentores da comunidade da incubadora lisboeta, teve como principal objetivo servir de montra para os empreendedores e reconhecer o trabalho desenvolvido por estes ao longo do ano. Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), foi quem entregou o prémio, cujo valor monetário compreende 10 mil euros, patrocinados pela Google for Startups. A entidade, parceira desta edição, fez-se representar pelo country manager, Bernardo Correia, que também subiu ao palco no momento da entrega.

"O Prémio João Vasconcelos - Empreendedor do Ano é simbólico porque representa todo o trabalho que a Coverflex faz e que obviamente partilho com toda a equipa e com os cofundadores. Fomos os cinco quem construiu tudo desde o início. Tenho também um sentimento especial pelo João Vasconcelos, meu amigo e mentor que me trouxe do Porto para Lisboa, no início da Uniplaces. Por isso, este prémio tem também um caráter emocional", referiu Miguel Santo Amaro, ao receber as luvas de boxe.

Fundada em 2019, a Coverflex criou uma solução de compensação flexível que permite às empresas reduzir custos e maximizar os ganhos potenciais dos trabalhadores. Nos primeiros meses de atividade, a organização adquiriu a Colmena e a Flexben, consolidando a sua liderança do mercado nacional e acelerando a sua entrada no mercado espanhol. Atualmente, a startup conta com uma equipa composta por 48 colaboradores, mais de 270 empresas na sua carteira de clientes e mais de 6000 empregados a utilizar a plataforma, estando agora a preparar-se para a sua expansão internacional.

A concorrer ao prémio estavam seis finalistas: Afonso Pinheiro (Pleez), Fred Antunes (RealFevr), Miguel Alves Ribeiro (sheerMe), Miguel Santo Amaro (Coverflex), Nuno Fernandes (Zomato) e Sanja Kon (Utrust). O painel de jurados, que decidiu sobre o empreendedor do ano, foi composto por Francisco Sá, presidente do IAPMEI, Bernardo Correia, country manager da Google, Gil Azevedo, diretor executivo da Startup Lisboa, Margarida Figueiredo, diretora municipal da Economia e Inovação, Inês Sequeira, fundadora e diretora da Casa do Impacto, e Joana Rafael, fundadora da Sensei e vencedora da edição de 2021.

Criado em 2019 para homenagear João Vasconcelos, o primeiro diretor executivo da incubadora, este prémio procura, de acordo com os promotores, "promover um espírito empreendedor e de iniciativa, fomentar a inovação e valorizar os empreendedores de acordo com o potencial do seu negócio e perfil de liderança".

Daniela Braga, fundadora e CEO da Defined.ai, André Jordão, fundador da Barkyn, e Joana Rafael, Nuno Moutinho, Paulo Carreira e Vasco Portugal da Sensei foram os vencedores das edições passadas.

Elevar o ecossistema com mais prémios

Estender os Entrepreneurship Awards a mais prémios é uma das metas da Startup Lisboa, segundo o diretor executivo da incubadora, Gil Azevedo. Passos já foram dados neste sentido, com a quarta edição do evento a atribuir o Prémio da Startup Mais Promissora, no valor de cinco mil euros, a um dos 15 empreendedores selecionados para o Demo Day, que tiveram oportunidade de apresentar o seu pitch de negócio, e o Prémio de Melhor Pitch, no valor de 2500 euros, para o qual concorreram os seis finalistas do Prémio João Vasconcelos - Empreendedor do Ano 2022.

A AssetFloow, que criou o primeiro software de inteligência artificial comportamental capaz de fornecer métricas sobre os movimentos dos compradores dentro de uma loja, foi eleita a Startup Mais Promissora. A proposta de valor consiste numa precisão superior a 94%, que possibilita aos retalhistas obter uma compreensão profunda do comportamento dos seus clientes e tomar melhores decisões operacionais, sem comprometer a privacidade das pessoas.

Já a distinção de Melhor Pitch, votada por um júri composto por jornalistas que acompanham o ecossistema de empreendedorismo nacional - no qual o Dinheiro Vivo esteve representado -, foi atribuído à RealFevr, startup portuguesa focada na comercialização de NFT de futebol em formato vídeo, fundada por Fred Antunes. O prémio, entregue pelas mãos da diretora do Diário de Notícias, Rosália Amorim, deverá ser doado a uma instituição de caridade, ao critério do vencedor.

Jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG