Portugal tem a maior percentagem de PME a inovar na União Europeia

São 66,4% as pequenas e médias empresas portuguesas e investir em inovação, contra os 49,5% na Europa. Apesar disso, o peso do investimento das PME nacionais em I&D é de apenas 0,2% do PIB.

A parcela de pequenas e médias empresas portuguesas envolvidas em processos de inovação, sejam eles ao nível do produto, do serviço ou em termos meramente organizativos, é de 66,4%, o valor mais elevado da Europa. A média da União Europeia fica-se pelos 49,5% e a realidade é muito díspar entre os 28 Estados membros.

Portugal, Finlândia, Luxemburgo, Alemanha e Áustria ocupam os lugares cimeiros da tabela, com mais de 60% das suas PME apostadas na inovação. Do lado oposto estão os países do Leste, como Letónia, Eslováquia, Hungria, Bulgária e Polónia, onde a percentagem de PME inovadoras varia entre os 29,2% e os 20,3%. No fundo da tabela surge a Roménia, com apenas 9,8% pequenas e médias empresas a inovar.

Os dados, que constam do Relatório Anual das PME, da responsabilidade da Comissão Europeia, mostram ainda que a proporção de PME inovadoras aumentou em países como a Áustria, Bélgica, Croácia, Estónia, Grécia, França, Hungria, Lituânia, Letónia, Portugal e Reino Unido, caindo nos restantes. "As divergências entre os Estados membros são parcialmente explicadas por diferentes tendências da indústria" em cada um deles, sublinha.

O presidente do IAPMEI, Nuno Mangas, reconhece que este é "um excelente desempenho" de Portugal e que está "alinhado" com os exemplos que se encontram no terreno, mas também com os resultados recentes do Regional Innovation Scoreboard de 2019, no qual a região norte ascendeu à 100.ª posição das regiões mais inovadora da Europa, entre as 238 avaliadas, passando de região 'Inovadora Moderada+' a 'Inovadora Forte-'.

Para Nuno Mangas, o acesso às medidas de estímulo e apoio à inovação, designadamente no âmbito do Portugal 2020, "que se apresentam em modelos flexíveis, orientados para apoio ao investimento inovador mas também para facilitar o acesso a diagnósticos e serviços de apoio qualificados (vales inovação, por exemplo)", têm ajudado a melhorar o desempenho das empresas portuguesas nesta matéria. Mas não só. "Importa ter em consideração que as PME portuguesas sofreram uma forte pressão competitiva no período pós-crise, o que, em muitos casos, conduziu estratégias mais inovadoras e diferenciadoras como forma de se afirmarem no mercado e de assegurarem a sua sustentabilidade".

Portugal destaca-se ainda no seio da UE na percentagem de empresas que vendem os seus produtos online, bem como no peso do e-commerce nas vendas totais das PME. E até na percentagem de empresas que asseguram formação aos seus trabalhadores, que é de 75% versus os 72,6% da média da União Europeia. No entanto, a taxa de inovação total do país é de 21%, versus os 28,66% totais da Europa.

O relatório da Comissão considera que é necessário que o Estado implemente, ainda, mais medidas de apoio à participação das PME em processos de inovação. Mas não só. É que o próprio modelo económico do país, muito assente em setores de baixo valor acrescentado, não ajuda. E há, ainda, a ter em conta a questão da falta de escala. É que 95,4% das PME em Portugal são microempresas. Não admira, por isso, que o emprego médio das PME em Portugal seja de 2,9 pessoas, uma a menos do que a média das suas congéneres europeias.

A falta de escala acaba por ter efeitos a diversos níveis, da inovação à internacionalização, passando pelo financiamento e pela capacidade de acesso aos mercados e à contratação pública, entre outros. E que ajudará a explicar, também, o facto de o investimento total das pequenas e médias empresas no PIB nacional ser de, apenas, 0,2%.

Nuno Mangas reconhece que a questão da dimensão é uma condicionante para as PME nacionais, mas garante que é uma área "a que está a ser dada particular atenção", e dá o exemplo da linha de crédito ADN 2018 - Sucessão Empresarial e Incremento de Escala, lançada recentemente, uma solução de financiamento gerida pela Garantia Mútua e que pretende "aumentar a escala das empresas, favorecendo o seu posicionamento no mercado global, e facilitar o financiamento de processos de sucessão e de aquisição de empresas".

jornalista do Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.